Pregão das cidades digitais é adiado para dia 3 de novembro


O pregão para implantação de 160 cidades digitais do Ministério das Comunicações, previsto para o dia 15 deste mês, foi adiado para o dia 3 de novembro, a pedido do mercado. O pregão será presencial pelo sistema de registro de preço, o que possibilitará a adesão de outras cidades ao programa. O edital prevê um …

O pregão para implantação de 160 cidades digitais do Ministério das Comunicações, previsto para o dia 15 deste mês, foi adiado para o dia 3 de novembro, a pedido do mercado. O pregão será presencial pelo sistema de registro de preço, o que possibilitará a adesão de outras cidades ao programa. O edital prevê um lote único em que a empresa ou consórcio vencedor será contratado para fornecimento de serviços e equipamentos que compõem um lote único, necessários à implantação de infra-estruturas básicas de comunicação para acesso à Internet de alta velocidade nos municípios,  com uso de tecnologias sem fio para transmissão de dados, voz e imagens, que suportem a realização de teleconferências, telemedicina e teleaulas em âmbito nacional.

O edital estabelece também que cada estado será contemplado com a conexão à internet em pelo menos três cidades, observando o seguinte critério: a distribuição paritária de 26 cidades digitais para cada estado; a distribuição de 34 cidades digitais levando em conta a população; e a distribuição de 100 cidades considerando o número de municípios de cada estado.  Pelo quadro de distribuição, São Paulo contará com o maior número de cidades digitais, num total de 17.

Outra novidade do edital é a definição de quatro redes de conexão à internet e acordo com as características de cada município. A rede corporativa deve atender a conexão dos telecentros, escolas, centros de saúde, bibliotecas, postos de segurança pública, entre outros. A rede ponto-a-ponto tem a finalidade de cobrir, por meio do compartilhamento de um ponto Gesac (Governo Eletrônico – Serviço de Atendimento ao Cidadão), os locais onde a rede corporativa não chega.

A rede comunitária irá atender  as comunidades com alto índice de vulnerabilidade social, oferecendo o acesso gratuito à internet. Já a rede comunitária-corporativa terá o objetivo de mesclar as propostas das redes corporativa e comunitária.

As empresas ou consórcios poderão participar do pregão oferecendo todas as tecnologias de rede sem fio, Wi-fi, Wi-Mesh, WiMax, entre outras, desde que os equipamentos a serem utilizados estejam homologados pela Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações).

O adiamento do pregão foi publicado na edição de hoje do Diário Oficial da União.(Da Redação)

Anterior Anatel proíbe TV paga de cobrar por emissão de boleto
Próximos Câmera da Axis faz monitoramento remoto wireless