Prédio da Telefônica será divisor de águas sobre bens reversíveis


Em 2012 a Anatel decidiu que a antiga sede da Telesp, na Martiniano de Carvalho, é bem reversível. A operadora recorreu, e até hoje o processo continua a tramitar na agência.

Adelaide skyline in watercolor background cidade predioA Anatel aprovou hoje, 26, o adiamento por 120 dias, da decisão sobre o prédio da Telefônica, que fica na rua Martiniano de Carvalho, na capital paulista. Igor de Freitas foi sorteado relator do processo, depois que o presidente João Rezende havia pedido vistas, mas acabou deixando a Anatel sem proferir seu voto.

“Esse processo é muito importante, porque ele será o divisor de águas sobre como iremos tratar os bens reversíveis no futuro, na análise da migração da concessão para a autorização”, afirmou Freitas.

Atualmente, esse prédio, que era a sede da Telesp no país mas hoje está desocupado, está enquadrado pela Anatel como bem que deverá ser reversível à União ao final da concessão.

O pedido da operadora paulista para vender esse prédio tramita na Anatel há mais de cinco anos. Em 2012, a agência decidiu que o prédio era mesmo um bem reversível e não poderia ser colocado à venda.

A operadora recorreu, e o processo de arrasta desde então sem uma resposta definitiva.

Anterior Conselho da Anatel apoia que Plenário do Senado vote o PLC 79
Próximos AT&T fatura US$ 1,9 bi na América Latina no último tri de 16

3 Comments

  1. 27 de Janeiro de 2017

    Cara Miriam

    Sua informação de que o prédio da Rua Matiniano de Carvalho está desocupado não é verdade. Existem funcionários de diversas áreas da Vivo trabalhando nele.

    • Miriam Aquino
      27 de Janeiro de 2017

      Obrigada,
      Vou corrigir a informação

  2. Tábata
    27 de Janeiro de 2017

    Somente em relação ao citado nesta matéria de que o prédio da Martiniano de Carvalho está desocupado não procede, existem operações da Telefônica atualmente ocupando o mesmo em todos os andares.