Preço teto do serviço rural de voz e dados deverá girar em torno de R$ 60


A hesitação das operadoras que operam no Brasil, à exceção da Claro, em relação ao leilão das freqüências de 2,5 GHz, que traz atrelada a faixa de 450 MHz caso não tenha interessados, não parece atingir o ânimo do governo. Hoje, durante o início dos testes na faixa de 450 MHz com a tecnologia CDMA, realizado pela Oi em parceria com a Huawei, em comunidade rural da cidade paranaense de Morretes, o ministro Paulo Bernardo voltou a dizer que está otimista e sugeriu que as empresas escondem o jogo, “o que é normal num leilão”.

Mas o governo acredita tanto neste leilão, para o qual montou uma modelagem sui generis, que o presidente da Anatel, João Rezende, está convencido que haverá disputa e que o preço vencedor para a prestação do serviço rural não será atingido. Este valor ainda está em estudos pela área técnica da agência, mas Rezende acredita que ficará em torno de R$ 60 mensais para os serviços de voz e dados. Ele lembrou que, nesse leilão, será a primeira vez que governo usará o critério de menor preço ao usuário final para definição do vencedor da freqüência de 450 MHz, e voltou a dizer que o valor da licença será compatível com a função social que ela terá no atendimento rural.

Segundo o ministro Paulo Bernardo, o sucesso do leilão vai garantir ao país pagar uma dívida que tem com a área rural brasileira, em sua maior parte sem comunicação de voz e sem internet. Pelos dados do IBGE, 8 milhões de família vivem na zona rural.

Morretes

O teste iniciado hoje na comunidade rural de Marumbi, que fica a seis quilômetros da cidade de Morretes, conhecida pelas suas atrações turísticas e pelo seu famoso barreado – prática típico da região, com carne, farinha de mandioca e banana –, mostrou que a tecnologia CDMA funciona bem na faixa de 450 MHz. Não houve nenhuma surpresa. A conexão de voz, na ligação feita pelo ministro Paulo Bernardo à chefe da Casa Civil, ministra Gleisi Hofman, foi de boa qualidade e o acesso a internet, dentro da velocidade esperada, que é baixa: 150 kbps.

Segundo Marcelo Mota, diretor da Huawei, a velocidade de transmissão dos dados depende da localização do terminal em relação à estação radiobase. Quanto mais próximo, maior a velocidade, mas na melhor das hipóteses pode chegar a 2 Mbps. Os terminais foram instalados na escola municipal de Marumbi. Para a demonstração, a Huawei trouxe da China terminais móveis, fixos-móveis e modems. Dados do CDG, entidade que reúne operadoras na tecnologia CDMA, existem 119 operadoras que têm operações em 62 países na faixa de 450 MHz.

Embora o CDMA seja a tecnologia que opere nessa faixa de freqüência, a Qualcomm anunciou recentemente solução para esta faixa na tecnologia LTE. E o CPqD também vem investindo nessa direção.

Anterior Brasil já supera França em vendas de TVs conectadas, diz Sony
Próximos iPhone deve perder participação no mercado de smartphones em 2012