Preço da banda larga por satélite deve ficar 10x mais baixo com o SGDC


antena-telebras-sgdc

A Telebras fez hoje, 27, em São Paulo a primeira apresentação de seu road show para leiloar a capacidade do Satélite Geoestacionário Brasileiro (SGDC). O evento teve uma plateia lotada de executivos do setor. Estavam presentes representantes de todas as operadoras, como Vivo, TIM, Claro e Oi, além de gente de empresas de satélite, como Yahsat, SES, Inmarsat, Hughes.

O presidente interino da Telebras, Jarbas Valente, diz que a procura não o surpreendeu. “Até porque o Brasil é carente em banda larga e só quem pode levar o serviço a todos são as operadoras”, disse.

Segundo ele, os estudos técnicos feitos para o edital mostram que o custo da oferta de banda larga por satélite deve ser 10 vezes mais baixo que o praticado atualmente no mercado nacional. Essa redução deve ajudar a massificar a banda larga entre agricultores, em sua opinião.

De São Paulo, os representantes da estatal partem para Londres, onde apresentam a investidores locais o potencial de negócios do SGDC, dia 1º de agosto. Depois, rumam para Nova York, onde o encontro com potenciais participantes do leilão acontece dia 4 de agosto.

Gateways

A instalação da infraestrutura terrena para uso do satélite segue, enquanto a Telebras busca um comprador para a capacidade do SGDC. As duas antenas adaptadas da Thales para comunicação com o satélite estão instaladas. A do Rio de Janeiro entra em operação em agosto, e a de Brasília, em setembro. Elas foram compradas juntamente com a aquisição do satélite.

Já as antenas fornecidas pela Gilat, que substituiu a EMC,  ainda precisam chegar ao Brasil. Fabricadas na China, uma será instalada em Salvador em outubro; outra, em Florianópolis, em novembro; e a última, em Campo Grande, até o final do ano.

Anterior Telecom Italia fecha semestre com receitas em crescimento
Próximos MCTIC lança consultas sobre estratégia digital e plano de conectividade em agosto

25 Comments

  1. 27 de julho de 2017

    Brincadeira! “Até porque o Brasil é carente em banda larga e só quem pode levar o serviço a todos são as operadoras”… Aí é que a coisa entrava. Moro à 12 km da capital do Estado do Maranhão, bairro de classe média alta. E ainda hoje não dispomos da tal da banda larga, parece o caviar do Zeca Pagodinho. Amargamos uma 3G de 1 Mbps pelo preço de 4 banda largas. Uma vergonha, mas nada surpreendente pois concessionária privada só vê custo/benefício (para si própria) e se o local tem baixa densidade de assinantes em potencial, vai ficar a ver navios.
    E agora vêm me falar de satélite geoestacionário, banda larga com custo 10x menor… Conta outra cara pálida!

    • Ronaldo Naldo Doberto
      28 de julho de 2017

      Empresa não tem que fazer caridade. Mentalidade de gente acostumada com a piada do “público, gratuito e de qualidade” é complicada. O setor privado não é como o público, ele tem que saber onde gasta melhor o dinheiro, do contrário a empresa quebra e aí não tem pra ninguém.

      • Felipe
        28 de julho de 2017

        “Empresa não tem que fazer caridade”! Claro que não! Desde quando “pagarmos valores mais caros que a maior parte do mundo inteiro por serviços de comunicação só que com qualidade muito inferior à do resto do mundo desenvolvido” configura CARIDADE? Se essa é sua definição de caridade, ela destoa bastante da definição dicionarizada.
        QUANDO CONCESSIONÁRIA OU AUTORIZATÁRIA DE SERVIÇOS DE UTILIDADE PÚBLICA, devem cumprir a Lei em sua integralidade e fornecer acesso a TODOS os interessados. Interessa notar que ainda assim, a lucratividade é altíssima e não proibitiva. Fazer apenas o que se quer, para quem se quiser e quando se quiser, é anarquia ou jugo dos mais poderosos.

        • Ronaldo Naldo Doberto
          29 de julho de 2017

          Espero que por trás de todo esse mimimi, você entenda que o setor privado poderia funcionar melhor se o Estado deixasse de atrapalhar. Negue isso e confronte a realidade de países com maior liberdade de mercado.

          E quem fala que telecomunicações é um setor altamente lucrativo não entende o quanto custa investir nisso por aqui. Você sabe que é do lucro que saem os investimentos, certo?

          O investimento que o Estado faz, com dinheiro que não é dele, é insignificante, perto do que as empresas privadas têm feito há muito tempo. Além disso, se telecomunicações ainda estivessem nas mãos de empresas estatais, seria tudo padrão Correios e CAIXA de qualidade. Uma b….

      • Felipe
        28 de julho de 2017

        Ah! Não esqueça que VAMOS PAGAR EMPRESAS PRIVADAS PARA USAR PELOS RECURSOS DESSE SISTEMA DE BANDA LARGA LANÇADO COM RECURSOS PÚBLICOS. Se fosse depender do privado para investimentos iniciais ou de larga escala em infraestrutura, ainda estaríamos aqui no Brasil usando linhas de telégrafo (que, adivinha!, também foram instaladas com recursos públicos…).
        “Entre construção, lançamento, e implantação de infraestrutura terrestre, custou R$ 2,7 bilhões” de todos nós, o povo!

        • 29 de julho de 2017

          É feito um leilão e o dinheiro investido volta aos cofres… E outra parte pro bolso deles…

      • 28 de julho de 2017

        Que mundo vc vive Ronaldo??????
        Caridade??? Pagar 120,00 em 5megas via 3G é caridade??? Vc só pode ser doente pra falar uma asneira desta… Sem mais comentários….!!!!

      • 29 de julho de 2017

        Concordo com você meu amigo tem pessoas que acham que tem que ter um serviço de graça, principalmente os que se acham de classe media alta, nao sabem quanto cista o investimento, isso é coisa de leigo igual esse tal de Felipe ai que nao sabe de nada, vai comprar link dedicado ai pra vc usar na sua casa riquinho, liga pra oi, vivo, embratel e faz uma cotaçáo de 50 megas dedicado pra vc assistir Netflix.

  2. Joel Leal Ferreira
    28 de julho de 2017

    Então, e viva as privatizações, à Petrobras ñ foi privatizada e representa uma das mais avançadas tecnologia do mundo, o minério foi privatizado via Vale , representa hj uma das mais arcaicas tecnologia do mundo. Com direito até a eliminar do mapa um RIO e uma CIDADE inteira.

    • Ronaldo Naldo Doberto
      29 de julho de 2017

      E isso é justificativa para continuar mantendo empresas que drenam o dinheiro do povo e que servem de moeda de troca e negociação nos esquemas corruptos e corporativistas?

      Mesmo a melhor empresa estatal deve ser privatizada. A gestão pública não vai fazer falta.

    • Ronaldo Naldo Doberto
      29 de julho de 2017

      Ah, há mais exemplos de sucesso entre empresas privadas do que entre estatais. Lide com isso.

  3. 28 de julho de 2017

    Possuo a banda larga da Vivo em Salvador. Acabo de me mudar de uma rua para outra no mesmo bairro e…
    …não tem banda larga Vivo. Morreu

  4. João Maciel
    28 de julho de 2017

    Com o sistema de cartéis e a cultura de corrupção do empresariado e da massa brazilis, duvido d – ó – dó!!!! Infelizmente é a dura realidade!

    • Ronaldo Naldo Doberto
      29 de julho de 2017

      Viva o Estado corporativista. Porque faz muito sentido manter uma ferramenta de poder altamente influenciável por corruptos. 😉

  5. Jader
    28 de julho de 2017

    Infelizmente tem dessas coisas…
    Alguns estados sofrem mais outros menos.

    Aqui em Brasília( Taguatinga) utilizo banda larga de 15 mega da GVT/VIVO capacidade máxima para minha localidade, mas na mesma cidade há capacidade para 50 mega, cerca de 4 km daqui. A parte ruim é que o valor é o mesmo kkkkkk

    Obs. Moro literalmente dentro da cidade, não nos arredores.
    Outra observação, quando era somente GVT não tinha o que reclamar, mas hoje deixa muito a desejar.

    • Ronaldo Naldo Doberto
      29 de julho de 2017

      Saiu GVT, uma empresa grande, porém menor, e mais próxima dos consumidores, e entrou uma grande corporativista, gigante dirigida por interesse de investidores. Deu nisso.

      E muita gente ainda tem em mente uma imagem mais positiva de empresas maiores…

      Internet não funciona bem com grandes redes. Ela foi feita para ser descentralizada e composta de várias partes pequenas.

  6. Marcos Lima
    28 de julho de 2017

    Custo cair em 10 vezes não vai significar baixa de preços das operadoras

  7. 28 de julho de 2017

    O problema maior é você adquirir um pacote de 120 mega e receber somente 10 a 20 e pagar pelo seu total e receber uma resposta da Net que é normal a oscilação então porque eu pago total

    Deveria é ter um marcador como os de energia assim cobraria o real utilizada dentro do contratado na média se viesse menos mega seria cobrado pelo recebido se viesse a sua totalidade aí sim paga-se a fatura total

    A Anatel informa que o correto é receber 50% para cada operadora cobrar a fatura hora aonde está está informação e case os direitos do consumidor uma roubalheira dos infernos que vivemos não venham com modalidade em falar que será 10 vezes mais baratas hipócritas ……….

    • Ronaldo Naldo Doberto
      29 de julho de 2017

      Existe muito bem uma forma de cobrar justamente, abrangendo esses casos de variação: franquia de tráfego. Se a velocidade está menor por algum motivo, você consome menos tráfego e paga menos.

      Isso poderia passar a ser visto como interessante um dia e aplicado pelas empresas, mas não vai ocorrer mais, já que um grupo de intrometidos conseguiu fazer o governo acabar com essa possibilidade, com a conversa de “direito dos consumidores”, que prejudicou os consumidores ao privá-los disso.

      É sempre assim: direito dos X, que prejudica os X. Esse povo não aprende.

  8. 28 de julho de 2017

    O serviço no Brasil é um dos mais caros do mundo, mas a culpa não é das operadoras. Quase metade do valor do serviço são impostos, na verdade um roubo oficial do governo, que só sabe roubar.
    É o maior atraso termos uma estatal de telecomunicações. Totalmente desnecessária!

  9. leonardo
    29 de julho de 2017

    No Brasil enquanto essa política de só aumentar impostos existir sempre os preços vão ser elevados!!!

  10. Rafael
    29 de julho de 2017

    É meu caro Ronaldo, franquia de tráfego é a “solução”. Realmente ou vc é um alienado, com todo o respeito, ou vc é com certeza representante dessas empresas que exploram os consumidores na cara dura com serviços de pessima qualidade. Que cobram o mesmo valor em locais diferentes na mesma cidade por 10mb e 100mb. Mas o grande culpado é o governo que permite esses absurdos. Permite, claro, já graças a corrupção institucionalizada no país. Mas pelo menos um vitória nós tivemos que foi a proibição da adoção dessa franquia “cara de pau” das empresas.
    Com relação a matéria, mesmo com custo 10x menor, não vai mudar nada para o consumidor final.

  11. 31 de julho de 2017

    Esses bonecos de ventríloquos de energúmenos norte-americanos,estrelas de um neo-liberalismo ultrapassado e que não deu certo em lugar nenhum, deveriam visitar países realmente desenvolvidos onde as telecomunicações nasceram e ainda estão no monopólio estatal e são ordens de grandeza melhores que esse lixo daqui, tanto em qualidade quanto em custo, em vez de anualmente irem se ilustrar na Disneilândia e chorarem ao se despedirem abraçados ao Pateta.
    Ignorância tem cura, ainda que tarde!
    Quanto ao “sucesso” de empresas privadas operando aqui, entre tantas podemos citar a Oi, e agora mesmo leio, a concessionária do Aeroporto de Viracopos. Extorsão, tarifas escorchantes, péssimo serviço, atendimento debochado, administração fraudulenta e de fundo-de-quintal são algumas das maravilhas da privataria.
    Quanto aos Correios, empresa pública fundada há mais de 48 anos, sempre foi junto com os Bombeiros (estatais também) campeã de credibilidade junto à população. Vá ao site da Anatel ver o conceito de que as privadas gozam (mau cheiro, isso sim). Ultimamente, com o (des)governo golpista que assaltou o poder a EBCT tem piorado sensivelmente sendo sufocada economicamente e de forma proposital, premeditada para que a população aceite resignadamente sua privatização em favor de empresários mafiosos, exatamente o que ocorreu com o restante das telecomunicações

  12. 31 de julho de 2017

    kkkk…O (des)governo através do CARF perdoa dívida de 24 bilhoões do ITAÚ, enquanto aumenta preços dos combustíveis, retira direitos dos trabalhadores e outro tanto de agressões ao povo brasileiro.
    Empresa privada no Brasil só sobrevive às custas das tetas do governo (leia-se, dos tributos de nós pagantes).
    Em vez de Robin Hood é o xerife de Nottingham : tira dinheiro dos pobres e dá para os ricos…
    E ainda há aqueles pobres de grana (mas sobretudo de espírito) que repetem, feito um disco quebrado, o discurso da casta dominante…

  13. Revolucionario
    7 de agosto de 2017

    O nosso país vai na contra mão da evolução tecnologica, aqui se vende oque não tem e promentem o impossivel, enquanto lá fora disponibilizam em efeito de testes gratuitamente para a população e após aprovação, começam a cobrar valores justos(Ex. ocorre com a Internet 5G, no Japão), não queremos esmolas mas serviços de qualidades e com preços justos. Um exemplo de valores no japão com um plano comum sai em media R$120,00 com a Internet de 1Gb, isso mesmo 1Gb e ainda tem como escoler esse plano é combo pode ser com telefone fixo ou Celular. Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=q7Pou8IPK-g
    okokokokokokokokok