Positivo registra aumento de vendas de celulares, mas tem prejuízo no 1º tri


A Positivo Tecnologia divulgou na noite de ontem, 15, os resultados do primeiro trimestre de 2019. A companhia vendeu mais celulares no período, mas mesmo assim teve queda nas receitas e amargou prejuízo. A receita líquida ficou em R$ 360 milhões, 16,2% menor que no mesmo período de 2018. O prejuízo foi de R$ 4,6 milhões (ante lucro de R$ 2 milhões um ano antes).

O desempenho foi prejudicado pela forte queda nas vendas de computadores no Brasil neste começo de ano. O mercado total encolheu 5,9%, comercializando 1,26 milhão de unidades. Já a Positivo vendeu 41% menos PCs. A empresa explica que dois fatores contribuíram negativamente: a redução de demanda de governos nas esferas Federal e Estadual, recém-eleitos.

O aumento de preços também afastou o consumidor. A empresa se viu obrigada a repassar o custo do aumento do dólar para os clientes, além de reinserir na conta de equipamentos com preços até R$ 4 mil o recolhimento de PIS/COFINS, os quais não teve que pagar até 31 de dezembro de 2018, mas que voltaram a ser obrigatórios neste ano.

Celulares

No mercado de celulares, o cenário foi diferente. Embora tenha havido retração de 5,7% nas vendas totais de celulares no Brasil como um todo no primeiro trimestre de 2019, em relação ao mesmo período de 2018, a Positivo vendeu 48,7% mais na comparação ano a ano. Foi um total de 419,3 mil unidades. A empresa se beneficiou do aumento da demanda por feature phones, cujas vendas cresceram 62,6%. Mas também da alta procura por smartphones, que venderam 39,2% mais.

A alta, no entanto, não foi capaz de compensar a perda de mercado em PCs uma vez que a Positivo focou esforços no mercado de entrada em telefonia. Vendeu mais aparelhos de baixo custo. “A competição entre as marcas líderes continuou limitando o espaço para os demais fabricantes no mercado, porém a companhia obteve êxito com a estratégia de posicionamento dos produtos de seu portfolio, em faixas de preço em que os impactos são menores”, afirma no relatório financeiro.

Perspectivas

Para a companhia, o mercado brasileiro de PCs vai continuar andando de lado o ano todo, terminando 2019 com vendas totais similares a 2018. As vendas vão se recuperar, no entender dos executivos da companhia, após o consumidor se “adaptar” ao novo patamar de preços. Nos celulares, vai manter foco em produtos de preço baixo e expansão a mais canais de varejo.

Anterior Banimento da Huawei prejudica fabricantes de chips americanos
Próximos TCU decide dar incentivo para alavancar digitalização dos serviços públicos pelo governo

Sem comentários

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *