Por apologia à violência, MP pede que game “Bolsomito” seja retirado do ar


 

O Ministério Público Federal (MPF) no Rio Grande do Sul ajuizou ação civil pública (ACP) para que o jogo eletrônico “Bolsomito 2k18”, disponível para venda na plataforma Steam, seja retirado do ar, tendo em vista a explícita apologia à violência contra defensores de direitos humanos. No jogo, o personagem Bolsomito, representando o candidato à presidência da República Jair Bolsonaro, ganha pontos ao espancar e matar representantes de grupos minoritários como mulheres, LGBTs, negros e integrantes de movimentos sociais, bem como jornalistas e parlamentares federais e estaduais.

Para o MPF, tal medida mostra-se necessária, tendo em vista que o jogo é nitidamente discriminatório e incentiva a violência. Ainda, ressalta que, historicamente, inúmeras ações são concretamente perpetradas contra grupos em situação de maior vulnerabilidade e, dado o quadro político atual, essas ações têm aumentado, conforme mostram inúmeras notícias jornalísticas, que inclusive já levaram a um pedido para a federalização desses delitos por parte do Coletivo de Advocacia em Direitos Humanos (CADHu).

A demanda, que visa conter a proliferação do discurso de ódio e de violência que, nos últimos dias, vem causando uma onda de ataques concretos aos grupos que são alvo do referido jogo não obteve liminar imediata, entendendo a juíza do caso por dar vista prévia à União. O MPF pediu reconsideração da decisão e aguarda a manifestação da Justiça Federal para o imediato bloqueio do jogo, que reforça e incita agressões ao fazer apologia de violência e morte contra grupos minoritários.(Com assessoria de imprensa)

Anterior SpaceX também vai lançar um dos satélites Viasat-3
Próximos Bom desempenho financeiro das gigantes norte-americanas no trimestre

1 Comment

  1. Jhonata Santos Oliveira
    29 de outubro de 2018

    Alguém poderia me explicar a situação atual desse jogo. Pois realmente soube dessa repercussão e vi que o jogo tinha sido retirado da steam, mas o mesmo voltou apenas com o nome alterado. A justiça desistiu de correr atrás, ou essa alteração foi o suficiente?