Pontes quer satélite da Telebras em pleno uso já nos primeiros 100 dias do novo governo


O ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Marcos Pontes, disse, nesta quarta-feira (9), que uma das prioridades da pasta para os primeiros 100 dias do novo governo é ativar o uso do satélite da Telebras para levar a banda larga “para as regiões, especialmente essas regiões mais distantes ou menos favorecidas pelo sinal aqui no país”. Em entrevista à Secretaria de Comunicação, o ministro afirmou que há algumas travas jurídicas em torno do desenvolvimento dessa estrutura.

Outra prioridade é levar a ciência e tecnologia para o ensino fundamental, para o ensino médio. Pontes afirmou que já existe uma parceria com o Ministério da Educação de levar robótica, astronomia, rádio amador, eletrônica para as escolas públicas no Brasil.

O ministro disse também que a nova estrutura do MCTIC está preparada para servir  como uma ferramenta para os outros ministérios. “Nós temos dentro do ministério conhecimento, nós temos centros de pesquisas espalhados em várias áreas do conhecimento aqui no Brasil. Cientistas extremamente capazes, nós temos centros de inovação que pretendemos colocar em várias regiões do país, segundo a vocação de cada região, para incentivar a criação de novas startups por exemplo, para melhorar produtos existentes, serviços existentes”, ressaltou.

Uma das tarefas da nova estrutura, disse Pontes, é a criação de índices de retorno de investimento, medir a eficiência da organização. O objetivo é atrair o financiamento das empresas privadas, além de contar com os recursos da Finep. “E para que você acompanhe esses projetos de uma forma mais competente”, adiantou.

Anterior Sem dinheiro da Telebras, começa a construção do cabo submarino Brasil-Europa
Próximos Anatel e UnB firmam parceria sobre modelo regulatório por incentivos

2 Comments

  1. José Ruselino
    10 de Janeiro de 2019

    Sr Ministro, o senhor já conhece os termos foi acordo com a americana Vc Viasat, colocando todo o satélite sou utilização e comercialização para os americanos, como seria feito com a base de Alcântara?

  2. SmokingSnake
    10 de Janeiro de 2019

    Absurdo o satélite estar parado até agora, o prejuízo já é muito grande! Essa esquerda só atrasa o país com essas mentiras deles, nenhuma empresa brasileira se interessou (parece que querem receber de mão beijada) e ainda querem proibir que uma empresa estrangeira preste o serviço de banda larga, então o negócio vai ficar parado para sempre, dinheiro jogado no lixo.

    Se a empresa não fosse dos EUA mas sim uma estatal chinesa (que é literalmente o governo chines) era capaz de entregarem de graça para os chineses como vinham fazendo com o país.