Polícia identifica rede clandestina de TV a cabo em São Paulo


A 6ª. Delegacia Seccional da cidade de São Paulo identificou uma extensa rede clandestina de TV a cabo na Zona Sul da capital paulista. Mais de 50 ruas no Jardim São Luis e Jardim Ibirapuera foram cabeadas ilegalmente por uma empresa conhecida como AJMS Telecom. Hoje, policiais prenderam em flagrante três pessoas, dentre elas o …

A 6ª. Delegacia Seccional da cidade de São Paulo identificou uma extensa rede clandestina de TV a cabo na Zona Sul da capital paulista. Mais de 50 ruas no Jardim São Luis e Jardim Ibirapuera foram cabeadas ilegalmente por uma empresa conhecida como AJMS Telecom. Hoje, policiais prenderam em flagrante três pessoas, dentre elas o proprietário da AJMS Telecom, conhecido na região como 'Baiano'. As informações são do Sindicato das Empresas de TV por Assinatura (SETA).
 
Segundo o release distribuído pelo sindicato, a empresa fez oferta do serviço à polícia, o que gerou uma investigação. Os investigadores procuraram o SETA com o objetivo de checar se a empresa era filiada ao Sindicato e se possuía licença da Anatel para operar como fornecedor de serviços de TV paga. De posse das informações concedidas pelo SETA, que passou a apoiar e a acompanhar a operação, a polícia concluiu que se tratava de uma operação totalmente irregular.
 
"A empresa se passava por operadora de TV a cabo. Para isso, utilizava-se irregularmente de postes, energia elétrica e infraestrutura de outras companhias para amarração de cabos", explica Antonio Salles Neto, presidente da Comissão Antipirataria do SETA. Segundo o executivo, os fraudadores possuíam um headend, uma central de captação de sinais de satélite e de emissoras locais, e decoders para abertura de canais fechados. Suspeita-se da origem dos equipamentos, que podem ser de procedência irregular.
 
O valor de adesão ao serviço oferecido pela AJMS Telecom era de R$ 170,00, sendo que cada ponto era comercializado por R$ 30,00. Os interessados em adquirir assinaturas se dirigiam a um salão de beleza na região, onde funcionava a 'área de vendas' da suposta empresa. Já a infraestrutura estava localizada no segundo andar de uma padaria. Após o flagrante realizado hoje, a Polícia iniciou o processo pericial para que sejam identificados todos os prejudicados pela AJMS Telecom. (Da redação, com assessoria de imprensa)

PUBLICIDADE
Anterior Oi vai investir R$ 1 bi na expansão dos serviços na região II
Próximos Relator do PL 29 diz que sua proposta só afeta conteúdo pago dos portais