Plataforma de telefonia e roteadores de código aberto


Depois de ocupar espaço na área de tecnologia da informação, tecnologias de código aberto começam a procurar um lugar ao sol no mercado de telecom, o que poderá não agradar gigantes como a Cisco, na avaliação de especialistas do mercado. Assim, por exemplo, nas últimas semanas, o que se viu foi a Digium Inc. – …

Depois de ocupar espaço na área de tecnologia da informação, tecnologias de código aberto começam a procurar um lugar ao sol no mercado de telecom, o que poderá não agradar gigantes como a Cisco, na avaliação de especialistas do mercado. Assim, por exemplo, nas últimas semanas, o que se viu foi a Digium Inc. – que suporta a plataforma de telefonia de código aberto Asterisk – obter nada menos do que US$ 13,8 milhões na sua primeira rodada em busca de financiamento. Também recentemente, a Vyatta Inc., fabricante novata de roteadores, lançou a primeira versão comercial de seu software, ao lado de ofertas de assinatura e serviços.

Pode não ser para já, mas parece inevitável que o mundo das telecomunicações também se abra para soluções não proprietárias. É o caso, por exemplo, do conjunto de padrões Advanced Telecom Computing Architecture (AdvancedTCA), destinados a criar uma base genérica para equipamentos de telecom, o que representa uma grande mudança em relação aos tempos em que os OEMs (Original Equipment Manufacturers) faziam tudo dentro de suas instalações.

Usado como base de diferentes equipamentos – PBX e URAs, inclusive, o Asterisk é conhecido desde 1999. Conquistou um milhão de usuários e dele são feitos mil downloads por dia, segundo informa o portal Digium, cujo faturamento é gerado pela venda de serviços e hardware relacionado ao Asterisk. O capital de risco obtido pela Digium veio da Matrix Partners, que também investiu na JBoss, desenvolvedor de middleware de código aberto comprada há pouco pela Red Hat. A plataforma Asterisk suporta tanto as velhas redes TDM, como aplicações VoIP.

Roteadores

Já a Vyatta, é a primeira empresa a oferecer um roteador completamente de código aberto. O lançamento da primeira versão do Open Flexible Router (OFR), em julho, foi feito na mesma modalidade de serviços Red Hat para Linux: assinatura e serviços. Existem outros projetos de roteadores de código aberto, como a suite Quagga; GNU Zebra da IP Infusion Inc.; e GateD da NextHop Technologies Inc.. A memória (stack) do Vyatta é a Extensible Open Router Platform (XORP). Segundo informações da empresa, a velocidade dos roteadores Vyatta atingem um par de gigabits por segundo, no patamar das classes Cisco 1800 a 7200.

(Da Redação)

Anterior Allied Telesyn agora é Allied Telesis
Próximos Medida provisória com desoneração para semicondutores pode vir nos próximos dias