PF cumpre mandado de busca e apreensão na casa de Pansera, do MCTI


A Polícia Federal deflagrou hoje, 15, uma nova fase da operação Lava Jato, que investiga desvios na Petrobras e pegamentos de propina por empresários a políticos. São 53 mandados de busca e apreensão por documentos e equipamentos eletrônicos.

Entre os alvos da fase de hoje, batizada de Catilinárias, estão o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Celso Pansera, o ministro do Turismo, Henrique Eduardo Alves, e o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha. Todos os políticos são do PMDB.

Pansera, deputado federal PMDB/RJ, Ministro CTI a partir de outubro de 2015. (foto: agência Câmara)
Pansera, deputado federal PMDB/RJ, Ministro CTI a partir de outubro de 2015. (foto: agência Câmara)

Em nota enviada à imprensa, Pansera afirma que as investigações vão “estabelecer a verdade”. Diz, ainda, que abre mão de seu sigilo bancário e fiscal. Pansera foi citado em depoimentos do doleiro Alberto Youssef como ligado a Cunha. Chegou a ser chamado de “pau mandado” pelo delator.

Outros políticos também são investigados: o senador Edison Lobão e o deputado Anibal Gomes, o prefeito Nelson Burnier, todos do PMDB, e o deputado Eduardo Fonte do PP. Os mandados foram expedidos pelo juiz Teori Zavascki, do STF. Abaixo, a íntegra da nota de Pansera:

“O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Celso Pansera, manifesta pleno interesse no esclarecimento dos fatos sob investigação. Ele se coloca à inteira disposição das autoridades para fornecer quaisquer informações necessárias. E, desde já, abre mão espontaneamente do sigilo constitucional que protege seus dados de natureza bancária e fiscal. Pansera está certo de que o andamento das investigações estabelecerá a verdade”.

 

Anterior Conversor sem Ginga será entregue em Rio Verde e desligamento da TV fica para 15 de fevereiro
Próximos Claro faz primeiro teste externo com LTE Advanced na faixa de 700 MHz