Pesquisa do NIC.br: 42% dos usuários ainda usam acesso discado.


A terceira edição da pesquisa TIC Domicílios 2007, divulgada hoje pelo Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br), mostra o crescimento das conexões em banda larga pelos usuários residenciais: 50% dos domicílios brasileiros que possuem acesso à Internet já têm banda larga. No entanto, outros 42% ainda acessam a rede por meio do …

A terceira edição da pesquisa TIC Domicílios 2007, divulgada hoje pelo Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br), mostra o crescimento das conexões em banda larga pelos usuários residenciais: 50% dos domicílios brasileiros que possuem acesso à Internet já têm banda larga. No entanto, outros 42% ainda acessam a rede por meio do acesso discado. Em 2006, a conexão dial-up era predominante, com 49%, enquanto a banda larga representava 40% dos tipos de acesso domiciliar. O crescimento da banda larga no período foi, portanto, de 10 pontos percentuais.

Apesar do crescimento, os fatores socioeconômicos e as desigualdades regionais ainda são os principais determinantes do acesso à Internet no Brasil: quanto maior a renda e a escolaridade, maior o acesso; regiões mais ricas têm mais acesso. Ou seja, a exclusão digital continua acompanhando a exclusão social no país. A principal barreira de posse de equipamentos TIC nas residências continua sendo econômica: o custo elevado do computador (78%) e do acesso à Internet no domicílio (58%). No entanto, o principal motivo declarado que leva o brasileiro a não usar a Internet é a falta de habilidade (55%), reforçando que a posse do equipamento não é pré-requisito para o uso. Outros motivos mencionados são a falta de necessidade ou interesse (39%) e a falta de condições de pagar o acesso (31%).

Produzido pelo Centro de Estudos sobre as Tecnologias da Informação e da Comunicação (CETIC.br), o estudo foi realizado entre os meses de setembro e novembro de 2007 e investigou 17 mil domicílios na zona urbana, entrevistando pessoas com 10 anos ou mais, nas cinco regiões do país. A amostra foi desenhada com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE.

A pesquisa apontou que entre as principais atividades desenvolvidas na Internet em 2007 destacaram-se as ações relacionadas à comunicação, lazer e busca de informações online, que foram realizadas por quase 90% dos internautas brasileiros. Na comunicação, a Internet foi usada principalmente na troca de e-mails (72%), na participação em sites de relacionamentos, como o Orkut (64%), e no envio de mensagens instantâneas (55%).

O levantamento também revelou que o ano de 2007 foi definitivo para impulsionar o crescimento do uso da Internet em centros públicos de acesso pago (Internet cafés, lanhouses etc), que se transformaram no local predominante para o acesso à Internet no Brasil. “Esse tipo de acesso pago saltou de 30% em 2006 para 49% em 2007, passando à frente do uso em domicílio, que se manteve estável em 40%, mostrando que a iniciativa privada pode contribuir para amenizar o problema social da exclusão digital no país", comentou Mariana Balboni,gerente do CETIC.br.

Os resultados da pesquisa estão disponíveis em http://www.cetic.br/

Anterior Projeto da franquia postal já está no Senado
Próximos Linares assume coordenação técnica da Comissão de C&T