Pesquisa do Idec aponta falta de transparência na oferta da banda larga 3G


Pesquisa realizada pelo Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor) para avaliar o serviço de banda larga móvel por meio de rede 3G constatou que a publicidade feita pelas operadoras Oi, Claro, TIM e Vivo frusta as expectativas do consumidor. O objetivo do levantamento foi verificar as características e ofertas do serviço pelas operadoras. "Muitas …

Pesquisa realizada pelo Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor) para avaliar o serviço de banda larga móvel por meio de rede 3G constatou que a publicidade feita pelas operadoras Oi, Claro, TIM e Vivo frusta as expectativas do consumidor. O objetivo do levantamento foi verificar as características e ofertas do serviço pelas operadoras. "Muitas condições só são informadas nos contratos, demonstrando a falta de transparência das propagandas", observa o Idec. "O serviço prestado pode ser muito aquém da expectativa criada no usuário a partir da publicidade", diz nota do instituto, que dá como exemplo a velocidade. "Apesar de ser oferecido um nível pela operadora, em nenhum momento é assegurado que ele será atingido ou mantido", aponta.

De acordo com o levantamento, verificou-se que as operadoras só informam as restrições de uso do serviço no contrato ou no website, que nem sempre são verificados na hora da compra. "Outra questão importante é a da publicidade. O pior de tudo é que as empresas possuem cláusulas contratuais que as eximem da responsabilidade de garantir a velocidade de acordo com a oferta", diz a advogada do Idec e coordenadora da pesquisa, Estela Guerrini.

Segundo o Idec, as justificativas mais utilizadas pelas empresas quando questionadas sobre possível perda de velocidade são distância do usuário em relação à antena da operadora e número de usuários conectados ao mesmo tempo na mesma região. O que leva a concluir, segundo Estela, que as empresas vendem mais do que suportam atender, tendo em vista apenas o lucro. (Da redação)

Anterior Valente espera decisão sobre anuência para compra da GVT antes do dia 19
Próximos Argentina aprova aumento de impostos para eletrônicos importados