Pesquisa aponta redes sem fio como o próximo impulso em produtividade


Usuários domésticos de computadores bem informados em tecnologia afirmam que a Internet tem sido a única e mais importante contribuinte para aumento da produtividade nos últimos 50 anos e prevêem que as redes sem fio terão o maior impacto em produtividade nos próximos cinco anos. Essas foram algumas das conclusões de uma pesquisa realizada pela …

Usuários domésticos de computadores bem informados em tecnologia afirmam que a Internet tem sido a única e mais importante contribuinte para aumento da produtividade nos últimos 50 anos e prevêem que as redes sem fio terão o maior impacto em produtividade nos próximos cinco anos. Essas foram algumas das conclusões de uma pesquisa realizada pela IPSOS, solicitada pela Lexmark Internacional.

Considerando uma grande gama de inovações nos últimos 50 anos, 60% dos entrevistados disseram que a internet teve o impacto mais significativo em termos de economia de tempo e aumento de produtividade, seguida por computadores pessoais, com 50% das respostas, e telefones celulares, com 43%.

Para os próximos cinco anos, 50% dos pesquisados previram que as redes sem fio terão o impacto mais significativo em produtividade e economia de tempo, 44% acreditam que serão os computadores com maior velocidade os responsáveis pelo ganho de produtividade, e 41% acham que serão os cartões inteligentes, sendo que até três respostas eram permitidas.

PUBLICIDADE

Quarenta por cento dos entrevistados na pesquisa disseram que já possuem equipamentos com rede sem fio em suas casas, Internet ou qualquer outra solução de conectividade possibilitada pelo uso de roteadores sem fio, incluindo Bluetooth e WiFi, e, desses, 80% disseram que são mais produtivos graças às suas redes sem fio.

A Ipsos realizou a pesquisa entre os dias 16 e 24 de fevereiro de 2007, com  500 entrevistas em cada um dos 18 países, considerando um total de 9.000 respostas. Os países selecionados para a pesquisa foram: França, Reino Unido, Alemanha, Itália, Espanha, Polônia, Áustria, Bélgica, Países Baixos, Suíça, Dinamarca, Estados Unidos, Canadá, México, Austrália, Japão, Brasil e África do Sul. (Fonte: assessoria de imprensa, Lexmark)

Anterior Google compartilhará com usuário receita de vídeos mais vistos
Próximos Oi faz parceria com Senai para programa de qualificação de técnicos