Pela democratização da banda larga


Boa parte das cidades e dos pequenos municípios do Brasil não tem acesso à maioria dos serviços de telecomunicações. Muitos deles precariamente dispõem de telefonia fixa e não possuem provedor de acesso à internet, banda larga, estação radiobase de telefonia celular e muito menos TV a cabo. O país tem 5.662 municípios, mas, de acordo com dados de setembro de 2005, apenas 1.606 dispõem de banda larga e, geralmente, são aqueles economicamente mais favorecidos. Essa situação se repete também nas grandes metrópoles brasileiras, onde as chances de um morador de uma favela ter acesso à banda larga são oito vezes menores que a dos cidadãos de mesma renda e classe social que vivem em outras regiões da cidade. Devido à pobreza ou distância dos grandes centros, essas regiões estão “condenadas à desconexão eterna”.

Precisamos desenvolver um plano nacional de banda larga que contribua para a integração de políticas sociais e para a generalização das políticas de governo eletrônico. Em uma favela, a possibilidade de o cidadão substituir uma transação presencial com o governo por uma transação virtual significa uma economia considerável. Vários levantamentos evidenciam que as pessoas residentes nessas localidades acessam pouco os serviços de e-gov. Uma pesquisa sobre a penetração e o uso da internet nos domicílios e empresas do Brasil, realizada no ano passado pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil, em parceria com o Instituto Worldwide Social e Opinion Research, mostra que, dos domicílios das pessoas que usaram governo eletrônico num período correspondente a 12 meses, apenas 4% localizam-se em uma favela. Na amostra, 8% dos domicílios consultados encontram-se nessa localidade.

Além de investir em educação para melhorar índices como esses, é preciso que a banda larga se generalize, atinja a todos os rincões do país e se democratize, permitindo uma inclusão social e digital muito maior. Sabemos que somente o acesso à banda larga não é suficiente, mas é uma condição necessária para utilizar os serviços de governo e de comércio eletrônico em sua plenitude e permitir o acesso aos novos serviços de voz sobre IP. Nesse sentido, o barateamento do custo da banda larga é central para que a inclusão digital e os serviços de e-gov cheguem efetivamente às classes C, D e E e às empresas brasileiras. Um dos principais limitadores dos telecentros, por exemplo, é a manutenção do custo da conexão de banda larga em regiões muito pobres.

PUBLICIDADE

Mas há tecnologias novas que permitem utilizar os grandes backbones de fibras óticas já instalados, porém ociosos, e serão capazes de resolver a capilarização do acesso, uma tarefa bastante complexa num país territorial como o nosso. As tecnologias sem fio tais como WiFi, WiMesh e WiMAX, bem como o uso do PLC (Power Line Communications) podem impulsionar esse processo. Para prestar melhores serviços à população, o governo precisar assegurar que todos os prédios públicos, postos de saúde, escolas, universidades, delegacias de polícia e todas as prefeituras municipais estejam conectados. Para isso, defendemos a elaboração conjunta de um plano de massificação do uso da banda larga no país, incluindo todos os atores envolvidos nesse processo. Somente assim conseguiremos vencer o desafio de chegar, em 2010, com mais de 10 milhões de acessos à banda larga no Brasil.


* É secretário de Logística e Tecnologia da Informação do Ministério do Planejamento

Anterior Tráfego LDN da Embratel avança
Próximos CVM sugere alternativa para fechamento do capital da Embrapar