Pedro Filizzola: A era pós texto


filizzola-sambatech

*Por Pedro Filizzola, CMO da Samba Tech

Em um mundo que se conecta mais a cada dia, as pessoas buscam por comodidade para consumir conteúdo nos mais diversos formatos e esperam que ele seja relevante, bem feito e, o mais importante, que seja único. Sabemos que a combinação da imagem, som e movimento, estimulam os sentidos e chamam atenção dos telespectadores.

Os vídeos são mídias democráticas, que estão inseridas em praticamente todas as classes sociais e atingem a maioria dos públicos. A partir deles, é possível discutir sobre os mais variados assuntos e aumentar o engajamento da sua audiência. E a ciência é capaz de explicar o porquê: cerca de 40% das pessoas responde melhor a estímulos visuais do que a texto, pois o cérebro humano processa esses estímulos 60 mil vezes mais rápido do que a velocidade com que ele processa as palavras.

Em um estudo recente que realizamos, pudemos constatar que, embora a maioria do conteúdo produzido no Brasil seja relacionado a marketing e publicidade, mais precisamente 27% dos respondentes, vídeos com temas relacionados à educação crescem mais a cada dia e a tendência é que alcance o líder em pouco tempo.

Hoje é possível afirmar com tranquilidade que o EAD no Brasil não para de crescer. Segundo uma pesquisa realizada pelo Sagah, Soluções Educacionais Integradas, as projeções apontam que em 2023, mais alunos estarão matriculados em um curso EAD do que em curso presencial. Para se ter uma ideia, hoje o ensino superior a distância no Brasil chega a 26% do número total de alunos.

Essa movimentação não se dá apenas no ensino, pois as próprias redes sociais vêm mudando o seu formado de apresentar conteúdo. O Instagram, que nasceu com a proposta de compartilhamento de fotos, inseriu novas features de vídeos e já é possível fazer transmissões ao vivo pelo próprio app.

Essa é uma prova de que as pessoas estão realmente buscando por conteúdos inovadores em todos os espaços. Com o avanço da tecnologia e, especialmente da internet, a forma de receber conteúdo mudou muito e, por isso, o texto – simples e vazio – já não prende tanto o leitor. Como costumamos dizer, se a demanda por um produto é alta, é bem provável que a oferta aumente também. E é justamente isso que vem acontecendo no Brasil de uns tempos para cá.

Por fim, a produção de conteúdo independente cresce a cada dia e, acredite ou não, há espaço para todo mundo: para aqueles que se consideram amadores e para aqueles que já se consideram profissionais.

Anterior Navarro, da Vivo, é premiado como o melhor líder empresarial no setor de Telecomunicações
Próximos Anatel libera faixa de 700 MHz nas metrópoles de SP, Porto Alegre, Curitiba e BH para 4G