Governo quer reduzir dependência da Defesa por tecnologias importadas


Os ministérios da Ciência, Tecnologia e Inovação e da Defesa firmaram parceria com o objetivo de dominar as tecnologias que atendam às necessidades dos militares; contribuir para o fortalecimento da indústria nacional e aprimorar a infraestrutura de C&T de apoio a programas e projetos de interesse da defesa nacional. A principal meta é estimular a substituição de tecnologias e de produtos importados de interesse dos militares por correspondentes nacionais competitivos.

Para atingir esses objetivos, o acordo prevê integrar as iniciativas de C, T&I de interesse da defesa nacional por meio de parcerias com instituições científicas e tecnológicas (ICT), universidades, centros de excelência e a indústria, para o desenvolvimento, certificação e qualificação de novos produtos, tecnologias e serviços; implementar redes de laboratórios que atendam às necessidades da defesa nacional e fomentar a formação e a elevação do nível da capacitação de recursos humanos.

A parceria pretende também estabelecer a sistemática de gestão da carteira de projetos de interesse da defesa nacional apoiados pelo MCTI; buscar a ampliação do interesse dos diversos segmentos da sociedade pelas iniciativas de C, T&I voltadas para esse setor; e estimular a promoção de eventos para compartilhar experiências e divulgar estudos relacionados a áreas estratégicas de defesa.

O acordo institui uma Comissão Interministerial de Coordenação com as tarefas de estabelecer as bases da cooperação técnico-científica;  propor a implementação de programas, projetos e atividades de interesse comum visando o desenvolvimento científico, tecnológico e da inovação; e acompanhar o desenvolvimento e avaliar os resultados dos programas, projetos e atividades implementados por intermédio de parceria entre os dois ministérios.

Cabe ainda à comissão sistematizar a participação da Defesa na seleção de temas de interesse da defesa nas chamadas públicas para promoção do desenvolvimento científico-tecnológico e da inovação realizadas pela Finep. Assim como propor a realização de eventos relacionados com o desenvolvimento científico, tecnológico e da inovação de interesse da área de defesa.

Anterior Telecom Italia dá mais prazo para conclusão da venda de operadora argentina
Próximos Nova lei de informática prorroga incentivo fiscal para 2029