Para Vivo, leilão da freqüência 1.9GHz é questão de cidadania.


3GSM World Congress A expectativa do presidente da Vivo, Roberto Lima, que participa, em Barcelona, do 3GSM World Congress, é que o leilão das freqüências de 1.9 GHz (aquelas que eram alocadas para o WLL) ocorra logo mais, tão logo sejam superados os últimos obstáculos legais, ainda neste semestre. Ele diz entender a posição de …

3GSM World Congress

A expectativa do presidente da Vivo, Roberto Lima, que participa, em Barcelona, do 3GSM World Congress, é que o leilão das freqüências de 1.9 GHz (aquelas que eram alocadas para o WLL) ocorra logo mais, tão logo sejam superados os últimos obstáculos legais, ainda neste semestre. Ele diz entender a posição de seus concorrentes, como a TIM, que condiciona o leilão das freqüências de 1.9 GHz ao leilão das freqüências de 3G, mas esclarece que o fato de o primeiro ser realizado antes do segundo não significa alteração nas regras do jogo, como insistem as demais operadoras celulares.

"É obrigação do regulador fazer o melhor uso possível do espectro. Não faz sentido, do ponto de vista do interesse da sociedade, guardar freqüências disponíveis por conta de interesses comerciais de operadoras", afirma. Freqüências essas, frisa, que vão beneficiar quase 30 milhões de usuários, que hoje enfrentam problemas de roaming em parte do país e no exterior.

*A jornalista viajou a convite da Alcatel-Lucent.

Anterior Vivo lança em março GSM pós-pago
Próximos Marcio Krug assume gerência geral da Gartner para o Brasil