Para SES, acordo Telebras/Viasat precisa de transparência


Empresa apoia iniciativa do SindiSat, do qual faz parte, para pedir na Justiça detalhes do negócio. CIO global critica custos com burocracia e dificuldade de se investir no país.

abstrata-quadrado-colmeia

Em Hortolândia (SP) para a inauguração do novo teleporto da empresa, o CIO global da SES, Ruy Pinto, reafirmou a importância do Brasil na estratégia de expansão do grupo. Mas também cobrou transparência e menos burocracia para facilitar o ambiente de negócios local.

Pinto comentou o recente contrato firmado entre Telebras e Viasat. Segundo ele, uma consequência de um edital feito sem ouvir as empresas do setor. “A Telebras lançou um edital que não funcionou. Ninguém apresentou propostas. Significa que não levou em consideração a visão das empresas”, disse.

Sem propostas, a estatal firmou o contrato com a Viasat, mas sem deixar claro ao mercado se manteve o nível de competição adequado, ou se a rival terá vantagens. “Eu sei que o contrato é um ponto polêmico. O que estamos pedindo é transparência. Se o modelo de negócio estiver de acordo, não temos problema. Mas é preciso transparência”, ressaltou.

Burocracia

O executivo, que vive em Luxemburgo, país sede da SES, conta que o teleporto inaugurado hoje, 3, foi um dos mais caros construídos pela empresa. O motivo vai além da carga tributária. Recai sobre a complexidade de se fazer negócios localmente. “Além do tempo, isso exige equipes com especialistas, regulatório, contador. Podemos ser mais eficientes simplificando a vida de quem investe no Brasil”, disse.

Ele ressaltou que o teleporto de Hortolândia já tem prazo para ser aumentado, com o lançamento do satélite SES-17, o que deve abrir novas oportunidades de parceria com o governo. “Em Luxemburgo, temos uma parceria na LuxGovSat, uma joint venture entre a SES e o governo para operar serviços por satélite na área de defesa. Não vejo porque um modelo similar não possa ser implantado aqui. Vamos continuar investindo no Brasil”, completou.

[O jornalista viajou a Hortolândia a convite da SES]

 

Anterior Relator da MP 810 propõe diminuir recurso destinado a ICTs das próprias empresas beneficiadas com Lei de Informática
Próximos Ministério Público do DF investiga forma como Vivo usa dados de clientes