Para Rezende, o PGMC será um divisor de águas.


O conselheiro João Rezende, presidente da Anatel, tem certeza de que a engenharia montada pela agência para o leilão casado das frequências de 2,5 GHz, que vão trazer ao país a tecnologia de quarta geração da telefonia móvel, com a frequência de 450 MHz, para a comunicação rural, vai ser muito bem sucedida. E às empresas que reclamam do ônus imposto na cobertura rural, ele lembra que, sem isso, os preços das licenças de 4G seriam muito mais caros. O leilão de junho é um dos temas tratados por Rezende em entrevista ao TV.Síntese.

Na pauta da Anatel deste ano,  o item que o presidente da Anatel considera mais relevante, e um divisor de águas, é o Plano Geral de Metas de Competição. “Pela primeira vez a agência enfrenta a questão do atacado, da relação entre as empresas. Essa é uma questão fundamental para o setor”, diz ele, que acredita que a Anatel deveria, a partir de agora, concentrar sua atuação mais na oferta de infraestrutura no atacado e menos no varejo.

Também na agenda deste ano, a redução da áreas locais. “Essa medida é mais do que necessária, pois o mercado evoluiu, a tecnologia também, e o tratamento precisa ser diferente”, diz. Outro ponto importante é o início do debate sobre os usos da faixa de 700 MHz, da radiodifusão, a partir do fim da migração da TV analógica para a digital.

PUBLICIDADE

Ao lado das questões regulatórias, Rezende destaca como relevante a reestruturação da agência, que passará a ser organizada não mais por serviço e terá uma visão mais sistêmica dos processos e do mercado. Como parte do novo desenho, a agência também vai investir em seus canais de relacionamento com o usuário, para aumentar a interatividade. “Vamos trabalhar nessa direção”, diz ele.

A entrevista com o conselheiro João Rezende está dividida em
sete partes:

As expectativas para o leilão da 4G

A infraestrutura no atacado

Áreas locais e próximos desafios

450 MHz e a comunicação rural

Novos usos para a faixa de 700 MHz

Relação da Anatel com os usuários

Redução pontual do Fistel

Anterior Banda larga já chega a 61.300 escolas públicas
Próximos Por satélite, Telebras e Embraer criam a Visiona.