Para recompor recursos, cientistas buscam compromisso de presidenciáveis


Inconformada com o corte de recursos no setor – que passou de 40% nos últimos dois anos -, a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) resolveu partir para a luta em busca de melhorias nessa eleição. Elaborou um conjunto de propostas para os candidatos ao legislativo e ao executivo e criou o “Observatório das Eleições 2018”, que acompanha o discurso e programa de cada candidato ao Planalto para educação, ciência, tecnologia e inovação.

As principais reivindicações da entidade começa com a revogação da Emenda Constitucional 95, a chamada “Lei do Teto de Gastos”. Depois pedem a extinção do contingenciamento dos recursos do FNDCT e de outros fundos setoriais destinados a atividades de pesquisa e desenvolvimento; a recuperação dos níveis orçamentários de investimento em CT&I ao valor máximo da última década e a promoção de aplicação efetiva do novo Marco Legal de CT&I, aprimorando-o caso necessário.

Pedem ainda o estabelecimento da meta de 2% do PIB para P&D, em seu mandato governamental e a recriação do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), desmembrado do de Comunicações, como era antes do governo Temer.

Os documentos foram elaborados após amplas discussões entre cientistas e acadêmicos sobre os desafios e necessidades de diversas áreas fundamentais para o desenvolvimento do país. Além disso, a SBPC vem convidando os presidenciáveis para debates com seus associados.

Em outra ação, a entidade disponibilizou no observatório uma análise dos planos de governos protocolados por cada um deles no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Nessa avaliação, a SBPC aponta a proposta de reconstrução do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), separado da pasta de Comunicações. Os candidatos João Goulart Filho (PPL), Fernando Haddad (PT), Marina (Rede) e Boulos (PSol) foram os únicos que expressaram uma proposta a respeito. O candidato Ciro Gomes (PDT) se comprometeu verbalmente com a proposta.

Com relação ao aumento do percentual do PIB nacional a ser investido em pesquisa e desenvolvimento (P&D), João Goulart, Haddad e Marina Silva foram os candidatos que trouxeram propostas – Haddad e Marina propõem elevar para 2% (o candidato petista estipula o alcance dessa meta até 2030; Marina até o fim do mandato); Goulart, por sua vez, promete chegar em 3% em quatro anos.

Veja aqui o site da SBPC que avalia as propostas dos presidenciáveis.

Anterior Chamada ilimitada em roaming no exterior amplia carteira de clientes, afirma Claro
Próximos Novo PGMU, com LTE para rede fixa, vai para o Planalto na próxima semana