Fusão AT&T-Time Warner na Sky ganha mais um parecer contrário


A Ancine já solicitou mais informações às duas empresas, para subsidiar o seu processo de apuração de descumprimento de regulação brasileira, depois que se manifestou ao Cade. E a direção da agência conta com o apoio de sua procuradoria, que emitiu parecer pela ilegalidade da operação.

Projetado pelo Freepik
Projetado pelo Freepik

A Procuradoria Federal na Ancine emitiu parecer considerando ilegal a fusão entre a Time Warner e a AT&T. De acordo com o documento, o negócio resulta em propriedade cruzada entre empresa do setor audiovisual e do setor telecomunicações, o que é proibido pela Lei do SeAC, que regula a TV fechada no Brasil. Os advogados se manifestaram no final de maio, mas o parecer só foi divulgado hoje, 21.

“Parecem existir indícios de que a operação em foco é potencialmente violadora do disposto no artigo 5º da Lei nº. 12.485/2011”, diz o órgão, reforçando da tese defendida pela própria área técnica da  Ancine.

A Procuradoria se manifestou ainda sobre o art. 9º da mesma lei, que condiciona a operação local a empresas constituídas no território nacional. “Ou as empresas se encaixam nesse dispositivo; ou não podem exercer as ditas atividades de forma regular no país”, afirma.

E completa: “vale dizer, que aquelas sociedades empresárias, mesmo as estrangeiras, deveriam se sujeitar às leis e foro brasileiro, bem como constituir representante único no País com poderes para resolver quaisquer questões e para receber notificações administrativas ou judiciais, o que parece razoável, considerando a finalidade da exigência”. Por fim, o texto recomenda que a agência tome medidas para garantir que a legislação brasileira seja cumprida.

Investigação
A Agência Nacional do Cinema (Ancine) enviou às programadoras controladas pela Time Warner Brasil pedido de informações adicionais para subsidiar o processo aberto pela Superintendência de Análise de Mercado da Agência para apuração dos impactos da Lei 12.485/2011 na operação de aquisição da Time-Warner pela AT&T.

A decisão pela notificação e pela abertura de procedimentos de averiguação foi tomada pela Diretoria Colegiada da agência em maio, depois de analisada a nota técnica elaborada pela Superintendência de Análise de Mercado, – em resposta a solicitação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) sobre o Ato de Concentração – , que aponta indícios de infração, violando o art. 5º da Lei no 12.485/2011, caso seja efetivada a aquisição da totalidade do controle da Time Warner pela AT&T, controladora da empacotadora Sky.

A nota técnica encaminhada ao CADE concluiu que a aprovação no Brasil do Ato de Concentração entre a Time Warner e a AT&T e a consequente integração vertical entre dois dos principais grupos econômicos nos elos de programação e de empacotamento tem grande potencial de resultar em efeitos anticompetitivos no segmento de TV por assinatura brasileiro(Com assessoria de imprensa)

Anterior TAC da Telefônica não avança no TCU
Próximos Tráfego IP no Brasil crescerá abaixo da média mundial nos próximos cinco anos