Para ministro, conta detalhada é motivo de preocupação


Apontado como um dos principais benefícios dos novos contratos de concessão, o detalhamento das ligações locais na conta telefônica, que seria implantado com a conversão pulso-minuto, também tornou-se motivo de preocupação para o Ministério das Comunicações. Para Hélio Costa, o detalhamento da conta pode gerar muitas dúvidas que os consumidores não tinham anteriormente. “A própria …

Apontado como um dos principais benefícios dos novos contratos de concessão, o detalhamento das ligações locais na conta telefônica, que seria implantado com a conversão pulso-minuto, também tornou-se motivo de preocupação para o Ministério das Comunicações. Para Hélio Costa, o detalhamento da conta pode gerar muitas dúvidas que os consumidores não tinham anteriormente. “A própria conta detalhada é motivo de várias preocupações porque tem muita gente achando que isto vai criar uma série de problemas entre usuários e as companhias”, disse hoje, 22, o ministro.

O ministro frisou que, ao ser implantada a conversão de pulso para minuto, quem falar mais do que três minuto ao telefone será penalizado e pagará mais caro. Somente quem falar menos do que esse tempo terá algum benefício. “Por mais que você possa dizer que até três minutos, ele (o consumidor) tem um benefício, dificilmente você vai encontrar alguém que ficará com um relojinho na mão ou procurando saber a que hora completa três minutos para ele parar uma conversação. Fizemos um estudo dos benefícios e malefícios dessa medida, e os benefícios são maiores”, disse o ministro.

Pro Teste
A associação de defesa do consumidor Pro Teste divulgou nota à imprensa na qual condena o adiamento do envio da conta detalhada ao consumidor. Na avaliação da associação, essa era a única vantagem do novo sistema de tarifação por minuto. “A Associação Brasileira de Defesa do Consumidor considera um retrocesso porque haveria maior transparência na conta do telefone fixo. A entidade avalia que bastaria rever a fórmula de cobrança para que os consumidores não fossem prejudicados com valores mais altos nas tarifas”, disse.

 A Pro Teste afirma que já vinha prevendo que haveria dificuldades para implementar a conversão e chegou a questionar judiciamente os novos contratos, que acabaram assinados em final de dezembro, de forma atabalhoada. Pelos cálculos feitos pela Pro Teste, as novas tarifas de telefonia fixa acarretariam um aumento de até 117% a mais para falar dez minutos, em São Paulo, e 114% a mais, no Rio. Também haveria prejuízos para quem usa a internet discada.           

Anterior Claro nega querer se desfazer da freqüência de 850 MHz
Próximos TCU suspende cautelar sobre acordo de "put" entre fundos e Citi