Para Costa, oferta de americanos continua sendo a pior


O ministro das Comunicações, Hélio Costa, mais uma vez, deixou claro hoje, 7, que são pequenas as chances de o padrão americano (ASTC) ser o escolhido para a modulação da TV digital brasileira. Na visão do ministro, os americanos não melhoraram as ofertas feitas anteriormente e não conseguiram convencer que o ATSC atende bem, no …

O ministro das Comunicações, Hélio Costa, mais uma vez, deixou claro hoje, 7, que são pequenas as chances de o padrão americano (ASTC) ser o escolhido para a modulação da TV digital brasileira. Na visão do ministro, os americanos não melhoraram as ofertas feitas anteriormente e não conseguiram convencer que o ATSC atende bem, no curto prazo, os requisitos da portabilidade e mobilidade que o governo quer para a TV digital brasileira. “Eles conseguiram provar que, em julho, poderão fazer portabilidade e a mobilidade no mesmo canal in band e serão melhores do que europeus. Eu achei que estava sendo injusto com os americanos. Eu até sei que eles estão fazendo um bom produto, mas infelizmente ele não está pronto”, ironizou o ministro.

A Zenith, fabricante americana de televisores e equipamentos para a TV digital, anunciou, recentemente, que, em julho, fará demonstrações de transmissão para receptores móveis e portáteis com o padrão ATSC. Costa tem reiteradamente dito que o padrão de modulação escolhido pelo Brasil terá que permitir que o sinal digital seja recebido com qualidade em terminais móveis e portáteis.

Investimento
De acordo com Costa, além das limitações técnicas do ATSC, os americanos também não melhoraram as propostas no que diz respeito às contrapartidas que poderão oferecer ao governo brasileiro. Eles mantiveram a oferta de US$ 150 milhões para financiamento da indústria eletroeletrônica e o Ex-Im Bank poderia liberar um volume de recursos necessários para atender a demanda dos radiodifusores.

Segundo o ministro, os americanos acenaram com o reinvestimento em pesquisa e desenvolvimento em valor equivalente aos royalties pagos pelo Brasil. Em nota distribuída à imprensa após a reunião no Palácio do Planalto, o ATSC Fórum argumentou que os valores de propriedade intelecutal serão substancialmente menores no Brasil do que nos Estados Unidos. 
 
Ainda conforme Costa, os representantes do ATSC Fórum também sinalizaram com a possibilidade de que as soluções desenvolvidas pelos pesquisadores brasileiros quanto ao MPEG IV (padrão de compressão de imagens) e ao middleware poderão ser incorporados ao ATSC. O ministro informou que os americanos tão pouco garantiram a participação brasileira no ATSC Fórum “Eles afirmaram que ainda irão submeter o nome do Brasil à aprovação do comitê”, disse Costa. O ministro lembrou que os europeus ofereceram um lugar para o Brasil no fórum do DVB e os japoneses ofereceram “vários lugares” para o Brasil no fórum do ISDB.

Na nota a imprensa, o ATSC disse que as fabricantes americanas Zenith e LG estariam preparadas para oferecer contribuição direta para o Fundo de Desenvolvimento de TV digital no Brasil, a transferir tecnologia para fabricantes brasileiros se tornarem montadores de receptores e transmissores de TV e a ampliar os investimentos para fabricação no Brasil.

Anterior TV interativa prende o espectador, diz Ericsson
Próximos Presidente da PT diz que empresa vale mais que oferta da Sonae