Para conselheiro da Abert, tese da Claro sobre canais lineares no streaming não para em pé


O conselheiro da Abert, Marcelo Bechara, falou hoje, 22, que não faz o menor sentido jurídico o pedido da Claro para que a Anatel proíba programadoras de venderem diretamente ao consumidor assinatura a serviços de streaming de canais lineares.

Segundo ele, caso a Anatel acate a tese da operadora, vai criar o caos no mercado brasileiro de streaming e de telecomunicações. “O consumidor vai ficar impedido de acessar conteúdos na internet distribuídos também na TV paga. Na prática, significaria que OTT virou serviço de telecomunicações”, disse durante o evento Streaming Brasil, que aconteceu em São Paulo.

O executivo afirma que haverá um grande contrassenso caso a Anatel concorde com a Claro. “Se a Anatel aceitar regular isso, qual a estação [radiobase] que a empresa de streaming vai ter que licenciar? Vai ter que saber quem é o gerente de rede, mas OTT não tem rede. Vai quere saber a área de atuação, mas OTT é global. A Anatel não vai conseguir colocar uma regulação disso em pé. É inexequível. Não cabe dentro da agência”, disse Bechara, que já integrou o conselho diretor da Anatel.

Bechara considera que a atitude da Claro em questionar a Anatel sobre levar canais lineares para o streaming seja uma defesa das intenções futuras da operadora. A seu ver, a operadora busca de forma indireta questionar o custo regulatório de pagar Fust, Fistel, Funttel, Condecine – que incidem sobre o setor de telecomunicações, mas não sobre o de OTTs, a fim de ser capaz de explorar ela mesma, e sem a incidência desses tributos, o streaming de canais lineares.

“Eles querem chancela da agência reguladora para fazer OTT, já que não é serviço de telecomunicações”.

Claro Brasil

Fernando Magalhães, diretor de programação da Claro Brasil, não nega nem confirma. Mas diz que o interesse é legítimo em questionar se as programadoras podem vender o conteúdo que vendem para a TV diretamente ao consumidor, como uma operadora de TV paga.

“Estamos falando da distribuição de canal linear na internet. Temos uma interpretação diferente. Existem implicações a favor e contra. Existe o fato de que pagamos SeAC, que não existe no mundo não SeAC. Mas estamos falando unicamente de conteúdo linear, não de VoD”, defendeu.

Para ele, ao menos com a provocação algo já ficou evidente: há muita regulação no país. “Isso vai ser discutido ainda pela Anatel. Agora, é evidente que existe excesso de regulação no Brasil. Esse é o pano de fundo. E este excesso de regulação, dado o ambiente dinâmico de mercado, que leva às discussões com esta”, observou.

Anterior Proposta de cobrança da Condecine sobre VoD segue travada na Casa Civil
Próximos Intelsat comunica perda total de seu satélite 29e

2 Comments

  1. 23 de Abril de 2019

    Claro e NET, vendam mais internet que o lucro vem da mesma forma.

  2. Gladia
    29 de Abril de 2019

    Assino Fox Premium e assisto os canais Fox por streaming sem necessidade de equipamentos de TV Paga ou de ter canais que não necessito. Combino com Netflix e está perfeito.