Para Brasscom, desoneração de folha salarial é muito positiva para o setor


A Associação Brasileira de Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom) publicou anúncio de página inteira nesta quinta-feira (4) elogiando medida do programa do governo federal Brasil Maior que incentiva a indústria de TI brasileira, e reafirmou a meta do setor para 2020, quando espera atingir um faturamento de US$ 200 bilhões, representando 7% do mercado mundial.

“Acredito que a medida terá um impacto muito positivo para o setor e vai permitir o aumento da competitividade das empresas de TI do país”, disse o diretor de relações institucionais da associação, Edmundo Oliveira. Em sua avaliação, embora a desoneração da contribuição previdenciária esteja prevista para um período determinado de tempo, para que a medida seja avaliada, “acredito que é uma mudança que veio ṕara ficar”.

A desoneração da folha de pagamento era uma antiga reivindicação do setor de software e serviços de TI, que, no ano passado, elaborou um documento em conjunto com todas suas entidades representativas (Abes, Assespro, Brasscom, Fenainfo, Softex e Sucesu) para negociar essa e outras propostas com o governo.

Dentre as medidas apresentadas pelo governo na terça-feira (2) está a desoneração da contribuição previdenciária das empresas de TI de 20% da folha salarial (que foi zerada), que será substituída por um imposto de 2,5% da receita bruta total das companhias. A medida desonera as folhas de pagamento de empresas do setor que tenham como sua principal atividade a programação, o processamento de dados, a elaboração e o licenciamento de programas de computação e sites e consultoria e suporte técnico em informática.

Segundo Oliveira, a Brasscom realizou diversas pesquisas e simulações e concluiu que, devido à grande informalidade da mão-de-obra da indústria, a medida não implicaria perda de receita para o governo, mas o aumento da arrecadação. Segundo o comunicado da associação, “cerca de 50% da mão-de-obra ocupada carrega algum grau de informalidade”.

O setor de TI fechou 2010 com um faturamento total de US$ 85,1 bilhões, empregando diretamente 1,2 milhão de pessoas. A associação espera, em 10 anos, aumentar esse volume para 2 milhões, e tornar o mercado de software e serviços de TI brasileiro o 4º maior do mundo, da atual 8ª posição do país no ranking. (Da redação)

Anterior Anatel sugere que velocidade média da banda larga seja 60% da oferta
Próximos Proposta de regulamento de SCM prevê guarda de logs por até 3 anos