Para Bechara, radiodifusores precisam enfrentar convergência.


Os radiodifusores estão demorando muito para enfrentar a realidade da convergência digital, especialmente o pessoal de rádio e, com isso, perdendo negócios. O alerta é do consultor Jurídico do Ministério das Comunicações, Marcelo Bechara, informando que a internet já representa 9% da publicidade mundial, posição superior à obtida pelas emissoras de rádios, passando de US$ …

Os radiodifusores estão demorando muito para enfrentar a realidade da convergência digital, especialmente o pessoal de rádio e, com isso, perdendo negócios. O alerta é do consultor Jurídico do Ministério das Comunicações, Marcelo Bechara, informando que a internet já representa 9% da publicidade mundial, posição superior à obtida pelas emissoras de rádios, passando de US$ 18 bilhões para US$ 34 bilhões.

Bechara falou hoje sobre Radiodifusão e Legalidade – Oportunidades de Modernização pelo Poder Concedente no 25º Congresso Brasileiro de Radiodifusão. De acordo com ele, o país vende hoje mais computadores do que aparelhos de televisão, o que exige uma reação imediata dos radiodifusores. Sobre a questão da concessão, ele destacou o esforço que o Minicom vem fazendo para agilizar o processo em três frentes: a digitalização dos processos, a edição de ordens conjuntas de serviço e a revisão da normatização infralegal. O processo de digitalização, que já foi iniciado, está parado desde dezembro do ano passado por falta de recursos. “Estamos negociando com o Ministério do Planejamento para recomposição do orçamento”, disse.

O empresário Paulo Tonet de Camargo disse que o setor não tem medo da convergência, mas se migrar para a internet quer tratamento regulatório igual ao dado a essa mídia. “Se formos para a internet não precisaremos mais do Ministério das Comunicações, porque não há regulamentação nessa tecnologia”, brincou. Ele reclamou do excesso de burocracia para obtenção ou renovação de outorga e propôs que o processo seja agilizado. Em relação à apreciação do processo pelo Congresso Nacional, ele defendeu que seja limitado à análise política. “Os parlamentares deveriam analisar apenas se houvesse uma manifestação pública contra a emissora, sobre a inadequação de sua programação”, disse. Para ele, da forma como está, a avaliação no Congresso Nacional é mais uma instância administrativa repetitiva do trabalho feito pelo Minicom.

Tonet entregou a Marcelo Bechara uma proposta de consignação de canal de retransmissão digital (RTVD), incluindo formato de procedimento e modelos de formulário. “Nossa intenção é de contribuir com a modernização dos procedimentos”, disse. O deputado Paulo Roberto (PTB-RS), que preside a Subcomissão de Radiodifusão da Comissão de Ciência e Tecnologia da Câmara, concordou com a caducidade das leis existentes do setor. O 25º Congresso Brasileiro de Radiodifusão é uma realização da Abert.

Anterior Usuários de serviços de valor agregado são mais exigentes
Próximos Falta de transparência em balanços dificulta crédito do BNDES a radiodifusores