Para a Oi, RCS ainda precisa superar o baixo alcance


A Oi vem testando o uso da tecnologia RCS em parceria com o Google desde o final do ano passado. Nesse período, percebeu que há maior engajamento dos usuários, mas baixo alcance.

Segundo o diretor de mobilidade e conteúdo da Oi, Diogo Câmara, cerca de 20% da base de usuários móveis da operadora têm um smartphone compatível. Para usar RCS é preciso ter um aparelho Android e o aplicativo de mensagens fornecido pelo Google.

Para ele, as vantagens frente outras ferramentas são várias.

“O SMS tem um alcance brutal e é barato, mas a experiência, a comunicação e conversão são baixos. É difícil ter comunicação assertiva com o cliente. Com o USSD é semelhante, mas a conversão não é alta. O Satpush (smart message) tem conversão maior, mas alcance é menor. No WhatsApp, experiência é melhor, o alcance é abrangente, a comunicação é boa, mas o custo é maior. O RCS portanto vem complementar. Tem boa experiência, economia no custo, conversão, comunicação. Mas o grande ponto hoje é o alcance”, resumiu o executivo durante palestra em evento em São Paulo.

A Oi ativou comercialmente seu produto de RCS em 19 de abril, em parceria com a Mobi2Buy e Google. A Mobi2buy criou um bot para a operadora, que oferece a clientes novos planos, substituindo o televendas. “Apesar do pouco tempo, até aqui a conversão foi 7,8x maior que por SMS”, disse.

Anterior Board da Telecom Italia nega que influência do fundo Elliott seja desproporcional
Próximos Anatel desiste de liberdade tarifária para ligações locais do STFC