Padtec vende a divisão de sistemas submarinos para a IPG Photonics


Empresa norte-americana pagou R$ 75 milhões pela unidade de negócio. Padtec passa a focar desenvolvimento de redes terrestres de alta capacidade e expansão internacional.

A Padtec, fornecedora de sistemas de comunicações ópticas, vendeu sua divisão de sistemas ópticos submarinos para a IPG Photonics Corporate, multinacional americana fabricante de lasers e amplificadores de alta potência. O contrato foi assinado nesta semana e o negócio, anunciado na noite de sexta-feira, 18.

A venda será efetivada “em breve”, conforme nota da empresa. A operação vai movimentar R$ 75 milhões. A Padtec afirma que a iniciativa vai ao encontro de sua estratégia atual, que prevê foco total no mercado de transporte óptico de alta capacidade para redes terrestres.

Os recursos obtidos com a venda serão usados em Pesquisa e Desenvolvimento, redução de endividamento e expansão da empresa no mercado externo. A meta é ampliar a participação no mercado brasileiro e  “de forma agressiva” a presença internacional.

Manuel Andrade, CEO da Padtec, diz que a venda da divisão de sistemas submarinos prova a relevância da unidade e atesta a capacidade dos engenheiros da empresa brasileira de desenvolver e implantar tecnologias de ponta competitivas internacionalmente. Segundo ele, a unidade continuará a operar no Brasil.

“Estamos muito felizes em saber que uma empresa reconhecida globalmente, como a IPG, valida, com esta transação, o valor gerado pela Padtec. Ficamos satisfeitos, também, em saber que a IPG dará continuidade aos esforços de desenvolvimento da equipe que permanece localizada no Brasil”, ressalta Manuel.

Para a IPG, o negócio abre uma inédita frente de operação. “Essa aquisição permitirá à IPG ingressar no mercado de transmissão óptica submarina”, afirma Ekaterina Golovchenko, vice-presidente de sistemas de telecomunicações da IPG Photonics.

“A combinação da solução de última geração para redes submarinas da Padtec com os amplificadores ópticos de alta potência e Raman e sistemas DWDM da IPG nos permitirá competir, efetivamente, em um número cada vez maior de projetos de redes submarinas, em todo o mundo”, completa a executiva.

Além do repetidor óptico, a divisão de sistemas submarinos da Padtec adquirida pela IPG inclui também a estrutura para serviços de implantação, operação e manutenção da planta submersa.

A transação foi feita com assessoria da IGC Partners, especializada em fusões, aquisições e operações de venda, e do escritório de advocacia BRGC Advogados, para os trâmites legais.

Com a venda, a Padtec passa a ter duas unidades de negócio. Uma, dedicada ao DWDM, é a principal fonte de receit, responsável poir mais de 60% das receitas. A outra, de serviços.  Andrade lembra a Padtec já deu uma guinada nos últimos anos, e a venda ajudará a empresa a acelerar o lançamento de produtos ópticos.

“Nossa dívida já está bem mais baixa que antigamente, e atualmente equivale a uma vez o EBITDA. Há quatro anos, a divida era acima de 4x o EBITDA. Mesmo assim, parte do recurso será usado para abater a dívida, e parte para acelerar o roadmap tecnológico”.

A próxima geração DWDM da empresa, afirma, entrará no que se convencionou chamar de equipamentos de 1,2 Tbps. “É uma geração mais compacta, de menor consumo, que ocupa menos espaço físico”, promete. Os acionistas da Padtec são o BNDESPar, o CPqD e a IdeiasNet. O balanço financeiro da empresa está previsto para ser publicado em duas semanas.

[Este texto foi atualizado após a publicação com novos posicionamentos do CEO da Padtec].

Anterior Seu email foi violado?
Próximos Para conter boataria, WhatsApp restringe reenvio de mensagens

Sem comentários

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *