Padtec vence pregão da Telebrás com menor oferta


O pregão da Telebrás para contratação de solução completa com a tecnologia DWDM para iluminar a rede de fibras ópticas de suporte ao Plano Nacional de Banda Larga (PNBL), foi encerrado nesta sexta-feira (5), com a vitória da empresa nacional Padtec. O preço, negociado ontem, ficou em R$ 63,09 milhões, menor do que a melhor oferta apresentada até então – de R$ 63,1 milhões da ZTE – e bem abaixo do preço ofertado inicialmente pela empresa vencedora de R$ 68,9 milhões.

Hoje, após a avaliação das novas planilhas de custos enviadas pela Padtec, com redução em 10 dos 58 itens, a Telebrás desclassificou as empresas ZTE, Huawei e Ericsson, que não apresentaram as comprovações de uso de tecnologia desenvolvida no país por meio de PPB (Processo Produtivo Básico), conforme exigia o edital. A estatal não recebeu recursos contra a decisão final do pregão.

A preferência por produto fabricado no país, introduzida pela Medida Provisória 495/2010, que assegura ao governo a opção pela compra de bens e serviços nacionais ou de empresas que investem em tecnologia no Brasil, mesmo que o preço esteja até 25% acima do valor ofertado por um concorrente estrangeiro, dessa forma foi testada com sucesso. Tanto que será repetida nos dois próximos pregões da Telebrás já marcados para este mês.

O resultado do pregão não implica na compra imediata dos equipamentos. Isto porque a modalidade escolhida, de registro de preço, garante o valor do equipamento por um ano. A Telebrás ainda depende da liberação de crédito suplementar de R$ 600 milhões para assegurar as contratações necessárias para conectar as primeiras 100 cidades a partir de dezembro. O projeto de lei solicitando a liberação dos recursos ainda tramita no Congresso Nacional.

Anterior TIM Brasil responde por 22% das receitas da Telecom Italia
Próximos Vendas de chip vão aumentar 33% este ano em todo o globo