Relatório da Oi diz que Kassab quer solução regulatória rápida


shutterstock_Petr Jilek_lei_regulacao_politica_tempo_rede
Nos documentos divulgados hoje, 17,pela Oi à CVM, há uma detalhada apresentação sobre as questões regulatórias que envolvem a companhia. Além fazer uma descrição sobre as amarras que existem no modelo brasileiro frente a diferentes exemplos do mundo, o documento aponta para os riscos futuros que ainda não foram equacionados.

Em uma das planilhas, a empresa chega a citar encontro de seus executivos com o novo ministro da Ciência, Tecnologia e Comunicações, Gilberto Kassab, onde ele promete “reavaliar as opções”, “estabelecer um ponto de vista”, “redefinir esforços, se for preciso”, e “ter uma decisão rápida, para assegurar rápidos benefícios para o setor.”

Riscos

Entre os riscos apontados pelo relatório está na possibilidade de as obrigações atuais das concessões poderem se converter em um jogo de “soma zero”. Para a companhia, o mais importante é que as obrigações sobre as linhas fixas fossem reduzidas à estabilidade financeira da Oi.

O segundo risco é ainda a falta de consenso sobre o método de avaliação dos ativos das concessionárias, que são reversíveis. Na opinião da Oi, são as empresas que detêm esses ativos e ainda não está claro sobre o conceito dos múltiplos serviços sobre esses bens.

O terceiro risco listado é que ainda não há qualquer sinalização sobre o que vai ser exigido para o programa de expansão da banda larga. Para a Oi, as empresas deveriam ficar liberadas em poder escolher a região onde vão investir os recursos, mas o prazo de implementação, as prioridades de alocação (se universalização ou ampliação da banda), ainda estão muito confusos.

Por fim, a revindicação de uso dos recursos dos fundos para o financiamento dos serviços universais continua sem eco. A operadora ressalta que a liberação desses recursos dependem de aprovação legal, uma rota sempre complexa.

Anterior Brasil leva realidade virtual para festival em La Rochelle
Próximos As previsões da Oi para os resultados financeiros até 2018