Os produtos digitais da Oi nascem com a ajuda do Big Data


A massa de dados é tratada para ajudar a desenhar produtos que os clientes querem consumir, para melhorar o planejamento da rede e otimizar o atendimento ao cliente, para comparar o atendimento feito por prestadores de serviço de call center

Foto: Gabriel Jabur

Com uma formidável massa de dados que não parava de crescer, a Oi, há cerca de três anos, verificou que não podia seguir no mesmo caminho de arquitetura proprietária. Afinal estamos falando de 1,5 Pb, 200 Teras, 660 processadores, 8 Tb de RAM. E decidiu fazer uma mudança radical, investindo em arquitetura aberta tanto em software (Cloudera), quanto em hardware (máquinas x86).

“Hoje o meu Tera custa 20 vezes mais barato e performa mais”, contou Gustavo Valfre, diretor de Arquitetura e Transformação Digital de TI da Oi, aos participantes do Encontro Tele.Síntese, que se realizou hoje, 19, em Brasília.

Toda essa infraestrutura da Oi é o que suporta o seu Big Data, que hoje já armazena todas as informações do Oi Legal, do serviço pré-pago, dos serviços digitais e dos bancos de dados das URAs. “Só de clientes pré-pagos são milhões de registros ao dia”, comentou Valfre.

Rotineiramente, as informações do Big Data são usadas para o planejamento de rede, que já resultaram em aumento da produtividade por técnico e melhoria dos indicadores de qualidade junto à Anatel e aos Procons. Todos os produtos digitais são desenvolvidos levando em conta essa massa de dados, com as necessidades dos clientes, entre várias outras iniciativas.

Anterior Retorno do uso do Big Data pagou rapidamente o investimento, diz Telefônica
Próximos Anatel vai exigir transparência na relação das teles com os consumidores

3 Comments

  1. Leonardo
    20 de julho de 2017

    O correto é Cloudera

  2. Alex Santo Amaro
    21 de julho de 2017

    A Oi fica se vangloriando do seu sistema e clientes que aderiram aos serviços ( péssimo ) .
    Moro na. Região que margeia o Rodoanel Mário Covas, os serviços prestados é 2g e não tem planos para expandir infraestrutura na região.