Augusto Dello Strologo ALTA

*Augusto Dello Strologo é diretor geral da Movilway

Por Augusto Dello Strologo*

O ano de 2016 foi excepcional para o setor de telefonia móvel: o investimento nesse segmento aumentou significativamente, as equipes profissionais cresceram, as consolidações geraram economia de escala e as informações em tempo real se tornaram cada vez mais precisas e eficazes. Tudo indica que em 2017 essas tendências continuarão se aprofundando, associadas a uma profunda mudança nos níveis de confiança dos consumidores na hora de fazerem suas compras e pagamentos através da internet.

O celular está se transformando no local central cada vez mais habitual e de onde se fazem compras e pagamentos, e em breve será o dispositivo favorito indisputável. A GSMA prevê que em 2019 existirão cerca de 217 milhões de consumidores na América Latina, que farão suas compras a partir de aplicativos e navegadores, mas sempre através de dispositivos móveis. E que 45% de todo o comércio eletrônico será feito a partir de terminais móveis. A pesquisa da GSMA traz outro dado interessante quanto à América Latina e o Caribe: até o ano 2020, mais de 100 milhões de assinantes únicos serão adicionados à internet, e essa se tornará uma das regiões de mais rápido crescimento do mundo.

A adoção de smartphones disparou nos últimos anos, passando de menos de 15% das conexões em 2012 para pouco mais de 50% em meados de 2016, e a estimativa é que essa taxa de crescimento se mantenha constante. Até o final desta década, a região registrará cerca de 260 milhões de conexões de smartphones a mais que no final de 2015. Do total de conexões, cerca de 70% corresponderão a um smartphone, e o Brasil continuará liderando essa tendência, com um índice de adoção de quase 80%.

O impacto dos dispositivos móveis no comércio não se restringirá simplesmente às compras, mas os smartphones deverão ter também um impacto nos pontos de venda físicos.

As plataformas de pagamento móveis serão cada vez mais habituais e utilizadas com mais frequência pelos consumidores. A estimativa é de que, em 2019, 5% dos pagamentos nas lojas serão feitos a partir de um terminal móvel. Os analistas esperam que entre 2020 e 2025 o uso da telefonia móvel como ferramenta de pagamento promova sua utilização como suporte comercial.

O aumento da penetração dos smartphones na América Latina, as novas redes 4G/LTE, o aumento da segurança dos pagamentos móveis, associados à facilidade de uso através de aplicativos, tudo isso permitiu que uma quantidade cada vez maior das transações online seja realizada através de dispositivos móveis. No México, por exemplo, estima-se que 46% dos compradores on-line tenham feito uma compra através de um celular. O celular como canal seguro de consumo é uma realidade que durante 2017 se consolidará na região.

Fazer uma remessa de dinheiro, pegar um pequeno empréstimo, comprar ações na Bolsa e muitas atividades que antes exigiam uma ida ao banco são hoje realizadas a partir de um smartphone. As soluções tecnológicas voltadas ao mundo das finanças, também conhecidas como Fintech, se transformarão em 2017 em uma forte alternativa ao banco tradicional, ganhando muito terreno.

Os serviços de dinheiro móvel (remessas, ordens de pagamento, transferências, pagamentos), graças aos quais os usuários não bancarizados podem utilizar seu telefone celular básico para fazer e receber pagamentos, são uma ferramenta poderosa para sedimentar o acesso financeiro nos mercados em desenvolvimento. A Movilway, líder na prestação de serviços de recarga eletrônica móvel e serviços de sistemas de pagamento na América Latina, compreende o cenário da telefonia móvel atual, e assume os desafios de oferecer novos serviços através do uso dos celulares e incrementar e promover os pagamentos por telefonia móvel em toda a América Latina.

Através da inovação tecnológica e da capacidade de adaptação às necessidades de cada mercado e setor, a Movilway integra diversas tecnologias e conhecimentos para alcançar o segmento não bancarizado da região. Assim, dentro do ecossistema móvel, a empresa se transformou em um dos principais promotores do uso de pagamentos on-line para compras de comércio eletrônico que se expande na América Latina a um nível sem precedentes – em mais segmentos e plataformas –, associado a um consumidor que está mudando seus hábitos de consumo e que privilegia a praticidade, a segurança e as opções de financiamento.