Optimate: Computador de bordo direciona a VSAT


O diferencial da VSAT transportável projetada pela Optimate está na incorporação de um computador de bordo eletrônico, que orienta o operador para direcionar a estação para a localização necessária.

Tele.Síntese está aos poucos publicando os textos produzidos para o Anuário Tele.Síntese de Inovação 2018, publicado no último trimestre. Abaixo, veja o caso da Optimate, fabricante que ficou em terceiro lugar no Prêmio Anuário Tele.Síntese de Inovação na categoria Fornecedores de Produtos.

Computador de bordo direciona a VSAT

Por Anamárcia Vainsencher

Uma estação VSAT transportável que incorpora um computador de bordo eletrônico que orienta o operador a direcioná-la para a localização necessária. Esse é o grande diferencial do produto desenvolvido pela Optimate Sistemas Eletrônicos, de Curitiba (PR), que está no mercado desde 2009 e em sua terceira versão. “Na nova versão, substituímos o computador de bordo por uma geração mais moderna e barata”, conta Marcelo Kaluf, diretor comercial e sócio da empresa.

Os clientes da Estação VSAT Transportável com Sistema de Apontamento Guiado Eletrônico (TP10G2) da Optimate são principalmente as operadoras de telecom que usam sistemas de comunicação via satélite (de satélites próprios ou de terceiros) para atender ao mercado corporativo. Excepcionalmente, a Optimate atende diretamente grandes empresas privadas ou clientes de governo, como o grupo Eldorado e a Secretaria da Fazenda de Pernambuco. Seu parque é de 120 VSATs transportáveis comercializadas.

Marcelo Kaluf conta que a empresa adquiriu expertise sobre o funcionamento e as variáveis dos componentes eletrônicos do produto depois de quatro anos de investimentos. Os recursos foram para o desenvolvimento de estruturas mecânicas de precisão e unidades de processamento eletrônicas para antenas satelitais transportáveis, portáteis ou veiculares, com sistemas de apontamento manual, guiado ou automático. Tais componentes incluem sensores angulares e magnéticos, inclinômetros, sistemas de posicionamento global (GPS), tabelas de declinação
magnética, planilhas de comissionamento, posicionamento de satélites, além de outros itens vitais para o direcionamento de antenas automáticas ou guiadas.

Quando uma operadora de comunicação via satélite precisa utilizar estações terrenas transportáveis, mesmo em locais sem quaisquer outros meios de comunicação, as TP10G2 Optimate são a primeira opção para oferecer aos clientes. Inclusive porque elas, segundo a fabricante, também ajudam a descongestionar o NOC (Network Operations Center) do cliente. O computador de bordo possui GPS que captura a coordenada local, tem capacidade de processamento para calcular os parâmetros de apontamento, um visor que mostra os parâmetros, bússola digital para ajuste de azimute, inclinômetro digital para ajuste de elevação e graduação no alimentador destinado ao assentamento da polarização.

O computador de bordo e o modem satelital são instalados dentro de um gabinete fixo atrás da parábola. Feito isso, é necessário apenas ligar um cabo de energia e um cabo de rede para usar a estação, o que dispensa a montagem de quaisquer cabos de RF. O desenvolvimento da estação enfrentou inúmeros desafios. Um dos maiores foi projetar peças mecânicas que pudessem ser fabricadas com as novas tecnologias de corte a laser, o que excluiu o retrabalho em processos de usinagem de precisão. Embora praticamente seja dominante no seu segmento de atuação, a Optimate enfrenta a concorrência de outras empresas que oferecem estações VSAT transportáveis, mas que não incorporam computador de bordo. Algumas tentaram importar, mas os valores de compras externas acabaram por inviabilizar a operação.

O que há de inovador na TP10G2 é o fato de ser uma estação VSAT transportável completa, fácil de instalar, alinhar e usar. Além disso, dispensa a presença de técnicos especializados e permite que o apontamento (direcionamento) seja realizado em um tempo médio de dez minutos, por qualquer funcionário da empresa com um mínimo de treinamento.

Outra novidade do produto é que o apontamento é guiado por meio de cálculos realizados pelo módulo eletrônico que reúne as funcionalidades de processamento, GPS, bússola eletrônica, nível eletrônico, tabelas de declinação magnética e de posicionamento do satélite e de programação do modem satelital colocado à disposição pela própria operadora do enlace satelital. Por meio de um visor LCD, o sistema da TP10G2 indica o valor calculado de azimute/elevação e o valor medido a ser ajustado, sob o comando de um único botão, e complementado por sinais sonoros intermitentes alterados conforme os ajustes.

Pequena empresa de nicho, a Optimate nasceu, em 2005, para atender a uma demanda de uma empresa de telecomunicações, a argentina Impsat, que no início dos anos 2000 instalou uma subsidiária na capital do Paraná e tinha, entre os serviços comercializados, a comunicação via satélite. Foi aí que a Optimate começou a atuar no mercado de satélite com a fabricação de antenas. A Impsat não existe mais. Foi vendida a uma empresa que resultou na hoje Century Link, com sede nos Estados Unidos, a segunda maior operadora no atendimento ao mercado corporativo global.

Com apenas cinco funcionários e faturamento de R$ 2 milhões, a Optimate quer embarcar agora em outro projeto desafiador. O desenvolvimento de uma nova antena para unidade móvel com apontamento automático. Com o lançamento de novos satélites que iluminam o Brasil no ano passado e neste ano (ver p. 24), Kaluf vê o mercado aquecido, embora reclame que as elevadas taxas de licenciamento de estações cobradas pela Anatel, a título de Fistel, sejam um fator inibidor da demanda.

Anterior Trópico: Solução desenhada para o agronegócio
Próximos Corning: Ficou mais fácil ter casas conectadas