Operadoras atacam em duas frentes para terem WiMAX nas respectivas áreas de concessão


As concessionárias estão atuando em duas frentes para que possam adquirir licenças de 3,5 GHZ (próprias para  WiMAX) em suas áreas de concessão. O mesmo vale para o 10,5 GHZ. Primeiro, entraram na Anatel com um pedido de impugnação do edital da licitação. Além da Associação Brasileira de Concessionárias do Serviço Telefônico Fixo Comutado (Abrafix), …

As concessionárias estão atuando em duas frentes para que possam adquirir licenças de 3,5 GHZ (próprias para  WiMAX) em suas áreas de concessão. O mesmo vale para o 10,5 GHZ. Primeiro, entraram na Anatel com um pedido de impugnação do edital da licitação. Além da Associação Brasileira de Concessionárias do Serviço Telefônico Fixo Comutado (Abrafix), Brasil Telecom, Sercomtel e CTBC fizeram o pedido.

A comissão de licitação da Anatel começa a analisar os argumentos das operadoras na próxima segunda-feira, segundo a assessoria de imprensa do órgão. Mas as concessionárias não ficaram somente no pedido de impugnação. Paralelamente, pediram que o Conselho Diretor da agência reconsidere a decisão de proibir as operadoras de adquirirem licenças em suas próprias áreas.

O argumento, segundo o executivo de uma das empresas, é que a Superintendência de Serviços Privados, em seu informe junto ao Conselho, havia sugerido, dentre quatro alternativas propostas, que as concessionárias poderiam sim comprar faixas em suas respectivas áreas, mas com restrição de banda. Esta posição teria sido mudada pelo conselheiro relator da matéria, Luiz Alberto Silva.

“As concessionárias entendem que o WiMAX é a grande aposta no futuro para a banda larga. Se a restrição for mantida, será um obstáculo às empresas crescerem e se modernizarem”, resume o executivo.  

Anterior Após oferta pública de EILD, as concorrentes começam a fazer as contas
Próximos Cemig e Infovias receberão R$ 91,412 milhões por venda da Way Brasil