Operador privado vai gerir rede de fibra óptica na Amazônia


Um operador privado será contratado pelo governo por meio de licitação para gerir a rede de 6.000 km de cabos ópticos subfluviais a ser implantada pelo Programa Amazônia Integrada e Sustentável (PAIS), ao longo de dois anos, interligando 52 municípios hoje sem banda larga.

Essa empresa ficará responsável por fiscalizar o atendimento a órgãos públicos e clientes privados, sendo remunerada pela comercialização do serviço por teles ou ISPs, informou ao Tele.Síntese o especialista em telecomunicações Carlos Hetzel, ex-Embratel e assessor do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). 

Formulador do PAIS, Hetzel explica que a primeira etapa do programa deverá começar ainda neste ano com a aplicação da primeira parcela dos investimentos, fixados em R$ 42 milhões. No total, deverão ser investidos cerca de R$ 1 bilhão para a criação de um cinturão óptico através de conexões com países desde o Peru até a Guiana Francesa, acrescentou. Essas áreas sem infraestrutura de telecomunicações poderão receber recursos a serem investidos por conta da sanção do PLC 79, afirmou o ministro de Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes.

“Toda a rede ficará com um operador neutro que irá verificar a preservação dos cabos e a qualidade dos serviços”, explicou Hetzel, apontando que a empresa será contratada pela Rede Nacional de Pesquisa e Ensino (RNP), uma organização social vinculada ao próprio MCTIC.

Convênios

De acordo com o assessor parlamentar, o MCTIC vai firmar ainda neste mês convênios com a RNP e outros parceiros públicos para começar a aplicação dos recursos que foram obtidos por meio emenda do presidente do Senado e contribuições do próprio MCTIC, do Ministério da Saúde e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

A primeira etapa do projeto envolverá 1.000 km, desde Macapá (AP) a Santarém (PA). O fornecedor dos cabos será escolhido por licitação, podendo ser a empresa Nexans, sediada em Paris e com filial no Brasil, que já forneceu o produto para o projeto anterior ao PAIS, denominado de Amazônia Conectada. Hetzel acrescenta que haverá excesso estratégico, como ocorre em aquisições de cabos, a ser usado para corrigir 12 rompimentos nos cabos subfluviais existentes no Estado do Amazonas.

Anterior Comissão da Câmara aprova PL que inclui os TACs na LGT
Próximos Comissão da Câmara torna roaming obrigatório para grandes operadoras