Oi vai pagar dívida com Anatel em 20 anos, corrigida pela SELIC


queda despenca dinheiro acoes cifrao moeda bovespa

Na divulgação do seu plano de recuperação judicial, que deve ser votado no próximo dia 19 por credores, a Oi cedeu às negociações com a Advocacia Geral da União. A intenção é pagar R$ 14,5 bilhões, mas com grandes descontos. A proposta prevê pagar 25% menos sobre o valor das multas de mora, 50% de desconto nos juros, e 25% nas multas estimadas.

Ao final das contas, após os descontos, a operadora prevê quitar com a Anatel R$ 11,6 bilhões, ao longo de 20 anos (em 240 parcelas), com ajuste feito pela taxa SELIC, e não pelo IPCA, como pleiteava a companhia. Nos primeiros quatro anos, porém, não seriam pagos juros sobre esse valor. E as primeiras parcelas seriam pagas com recursos atualmente depositados judicialmente.

O novo plano mudou em relação o que foi apresentado anteriormente pela empresa. Deixou de contar com um Termo de Ajustamento de Conduta que previsse o reinvestimento de R$ 6 bilhões da dívida com a Anatel em banda larga.

PGMU

Entre os vários documentos que a Oi publicou entre ontem e hoje, 13, uma apresentação chama a atenção. Uma projeção de quanto a empresa espera desligar em orelhões, a partir da aprovação no novo plano geral de metas de universalização (PGMU). O regulamento ainda precisa ser votado pelo conselho diretor da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

Mas a concessionária não esconde a esperança de que ele seja aprovado logo, pois o próprio Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) já mandou comunicado à agência pedindo que a votação, e aprovação, aconteça até janeiro.

As estimativas da Oi são de que o novo PGMU permitirá o desligamento de 500 mil dos seus 650 mil orelhões. Ao final do processo, restariam 150 mil da tele espalhados pelo Brasil. Esses teriam custo anual de R$ 300 milhões. O custo de manutenção de redes legadas somaria mais R$ 1 bilhão. Ao todo, a rede sujeita às regras de universalização custaria à empresa R$ 1,3 bilhão.

 

Anterior AGU pode desistir da MP da Oi porque Selic foi incorporada na proposta
Próximos Oi dá publicidade a documentos confidenciais trocados com bondholders

1 Comment

  1. Indignado
    14 de dezembro de 2017

    Um tapa na cara do cidadão brasileiro que jamais teria essa benesse praticada com o seu próprio dinheiro.
    Cadê o tal do mercado do fhc, príncipe da privataria, que regularia tudo sem a intervenção do Estado e em prol do cidadão? kkkkkkk…
    Deixa falir pra aprender o que é mercado de verdade. Aqui o mercado é bom quando favorece o (mau) empresário e ruim quando favorece o cidadão. Privatizar os lucros e socializar os prejuízos…muito fácil numa republiqueta bananeira.