Oi vai aumentar capacidade de transmissão no Norte do país


A Oi iniciou em dezembro de 2014 em Manaus o Projeto Linhão, para ampliar a capacidade atual de sua rede para transmissão de voz e dados. A melhoria na rede será feita em duas fases, incluindo inicialmente a instalação da tecnologia PTN (Packet Transmission Network), que possibilitará, além de maiores velocidades, qualidade no atendimento e maior disponibilidade para ampliar serviços de voz e banda larga conforme a demanda do mercado local.

A primeira fase será concluída no segundo semestre deste ano. No primeiro trimestre deste ano, a companhia investiu cerca de R$ 32 milhões nos quatro estados. A maior parte dos recursos serviu para expansão da rede de telefonia móvel e de banda larga. 

A segunda fase acontece no primeiro semestre de 2016, com a implantação da tecnologia OTN/DWDM (Dense Wavelength Division Multiplexing) num percurso de fibra ótica que abrange aproximadamente 2,4 mil quilômetros percorrendo os estados do Amazonas, do Amapá e do Pará. Com essa modificação, a rede atingirá capacidade de transmissão de 3 Tbits em tráfego de voz, dados e internet banda larga, e, segundo a empresa, vai beneficiar também o estado de Roraima.

A nova infraestrutura de transmissão começou a ser formatada há dois anos, para garantir uma expansão gradual da rede da Oi, e resultou na abertura de três novas rotas de fibra ótica distintas, partindo de Manaus rumo aos estados do Acre, Roraima e Pará. Com isso, o Amazonas passa a contar com uma rota principal terrestre e outras duas vias de reforço da rede que, além de otimizar a proteção do backbone, reduzem impactos por falhas causadas por terceiros.

O projeto prevê chegada de fibra óptica a onze cidades em três estados que hoje utilizam serviços da Oi via satélite: Itapiranga e São Sebastião do Uatumã, no Amazonas; Terra Santa, Alenquer, Santarém, Vitória do Xingu, Anapu, Pacajá, Tucuruí e Altamira, no Pará; Laranjal do Jari , no Amapá. (Com assessoria de imprensa)

Anterior Importação de produtos de telecom cai 46% por política de produção local, diz OCDE
Próximos Telesat paga R$ 89,3 milhões por dois satélites brasileiros e eleva ágio para 73%