Oi renova arquitetura do núcleo de rede


redes network fibra optica backboneComeçou a funcionar em janeiro o novo núcleo de rede de dados da Oi, feito pela Nokia. A nova arquitetura aumenta a capacidade de acesso a conteúdo da internet e tem maior redundância, o que, diz a operadora, ajuda a reduzir custos e garantir a entrega dos serviços. A operadora não forneceu, porém, estimativas da economia prevista, nem o valor do investimento.

O Backbone IP foi totalmente remodelado e passou a contar com uma supervia conectada a 100 gigabits por segundo (Inner Core), por onde circula 100% do tráfego da internet de todos os tipos de cliente. O Inner Core é composto de equipamentos modelo 7950 XRS-20, fornecidos pela Nokia. Todos os equipamentos entraram em operação em janeiro de 2016 e a migração completa de todo o tráfego está prevista para acontecer até março.

Conforma a companhia, a criação de um Inner Core com alta velocidade e disponibilidade suportará o crescimento constante de tráfego IP, que é superior a 30% ao ano na Oi. A empresa ressalta que mais de 50% do tráfego é vídeo.

PUBLICIDADE

A nova arquitetura do núcleo de rede de dados da Oi foi implantada em paralelo com outro projeto de transformação da estrutura de serviços da operadora, o de conexões de 100 gigabits por segundo, em uma extensão de 30 mil quilômetros no território nacional. O projeto se baseia no uso de equipamentos OTN (Optical Transport Network). A rede OTN, além de aumentar a qualidade e a capacidade de transmissão de dados, foi desenhada para elevar a proteção do cliente de interrupções provocadas por acidentes e eventos externos.

Até setembro de 2015, a velocidade média da banda larga fixa da companhia havia aumentado em 25% e o tráfego IP havia crescido 43% enquanto a taxa de congestionamento de banda larga registrou queda 17%, na comparação com o setembro de 2014, segundo dados divulgados pelo último balanço da companhia.

Anterior Proposta de decreto de Marco Civil flexibiliza exceção à neutralidade
Próximos Ministro da Cultura diz que regulamento de video on demand está quase pronto