Prejuízo líquido da Oi cresce 27,8% em 2016 e passa dos R$ 7 bilhões


A operadora diz que o resultado foi impactado por uma baixa contábil de créditos tributários da ordem de R$ 2,8 bilhões. No ano, a empresa gerou caixa, e terminou dezembro com R$ 7,8 bilhões em reservas.

shutterstock_economia_lucro_resultado_bolsaA Oi divulgou nesta noite, 22, que terminou 2016 com um prejuízo líquido de R$ 7,1 bilhões. O número é 27,8% que o registrado em 2015. A operadora diz que o resultado foi impactado por uma baixa contábil de créditos tributários da ordem de R$ 2,8 bilhões.

No ano, a empresa gerou caixa, e terminou dezembro com R$ 7,8 bilhões em reservas, 53,3% menos que ao fim de 2015. A receita líquida ficou em R$ 25,9 bilhões, 5% menor que a obtida em 2015. Reforçando argumentos que apresentou ontem em resposta a credores, a operadora destacou aumento do Capex (investimentos) em 17,6% no ano, comparado a 2015, e em 26,6% no quarto trimestre, comparado ao mesmo período de 2015. Assim, a empresa investiu R$ 4,76 bilhões em 2016, e R$ 1,35 bilhões no último trimestre.

Esse dinheiro foi aplicado em renovação do atendimento ao cliente e nas operações de campo. Segundo a Oi, geraram eficiência a ajudaram a reduzir os custos da operação (Opex). Esta rubrica terminou o ano em queda de 2%, somando R$ 18,8 bilhões. Isso não foi suficiente, no entanto, para garantir melhoria do EBITDA (lucro antes de impostos e amortizações) de rotina. O dado apresentou queda de 12,3% em 2016, passando a R$ 6,34 bilhões. No quarto trimestre, o EBITDA de rotina foi de R$ 1,67 bilhão, 4% menos que no mesmo trimestre de 2015.

A dívida líquida da companhia cresceu 5,7% no ano, atingindo R$ 40 bilhões. O endividamento bruto foi de R$ 48,2 bilhões, ante R$ 54,9 bilhões em 2015. Na recuperação judicial pela qual atravessa, a empresa estima ainda passivos com multas da Anatel, trabalhistas e jurídicos que elevam o valor do endividamento acima dos R$ 65,4 bilhões.

Clientes
A base total de clientes da empresa encolheu 9,3% em um ano. A maior perda porcentual de assinantes aconteceu na telefonia móvel, que encolheu 13,1%, passando de 45,8 milhões de acessos ao final de 2015 para 39,8 milhões ao término de 2016.

Na telefonia fixa, a concessionária desligou 5,4% das linhas, passando a ter 9,94 milhões de clientes. Mas conseguiu ganhar assinantes na banda larga (+1,5), segmento que fechou com 5,18 milhões de conexões, e na TV Paga, área em que ficou com 1,29 milhão de assinantes (+11,6%). Mesmo com os desligamentos, o a receita média por usuário residencial cresceu 5%, atingindo R$ 77,2. No móvel, o ARPU passou de R$ 15 para R$ 15,5 em um ano.

No trimestre, a cobertura 2G abrangia 3.404 municípios (93% da população urbana do país) e a cobertura 3G, 1.483 munícipios (+15,9% comparado ao quarto trimestre de 2015) ou 80% da população urbana brasileira. O acesso 4G LTE passou a cobrir 284 municípios, que representam 62,5% da população urbana brasileira, um aumento de 11 p.p.

Juntamente com o balanço, a Oi comunicou ao mercado que reformulou pontos do plano de recuperação proposto por seu conselho de administração.

Anterior Orlando Silva quer lei de proteção de dados que sobreviva às mudanças digitais
Próximos Oi vai propor a credores participação de até 38% na companhia

1 Comment

  1. 23 de Março de 2017

    Mais um desafio para o Sr Marco Norci Schroeder resolver…
    Ainda torco muito pela Oi! Acredito que havera solucao!