Oi compra prestadoras de serviços de rede e reduz custos


Em um ano, operadora inverteu a proporção entre técnicos próprios e terceirizados. Atualmente, 75% deles são contratados diretos da Serede, empresa do grupo responsável pela manutenção de rede.

Foto: Roberto Vinicius
Foto: Roberto Vinicius

Além do aumento na geração de caixa, a Oi comemorou na divulgação de seu resultado financeiro a diminuição dos custos operacionais, que encolheram 2,5% em um ano, somando R$ 4,6 bilhões no terceiro trimestre de 2016. Para os executivos da operadora, que está em recuperação judicial, esses fatos mostram que a tele é sustentável. Afirmam que, levando-se em conta a inflação de 8,5% do período, a queda nas despesas ultrapassa os 10%.

Ricardo Malavazi, diretor financeiro e de relações com investidores da Oi, falou a analistas nesta quinta-feira,10, que uma das principais ações da companhia para reduzir custos e, ao mesmo tempo, se tornar mais eficiente, foi incorporar prestadoras de serviços de rede – as chamadas PSRs.

Essas empresas estavam pulverizadas pelo país e prestavam serviços para a tele. Muitas, no entanto, enfrentavam dilemas financeiros, de treinamento, e o resultado era refletido nos índices de atendimento ao consumidor. Em outubro de 2015, pouco depois de sua maior crise no atendimento, a Oi comprou a primeira PSR, atuava na região do Rio de Janeiro. A ideia era ver o impacto sobre os índices de qualidade. Constatou queda no volume de manutenções na rede, no de reparos na casa do cliente, do Opex e um aumento de produtividade.

Considerando a iniciativa bem-sucedida, em maio deste ano e em junho, fez mais duas aquisições de empresas que prestavam o serviço terceirizado de manutenção, uma no Sul do país, outra que atendia Norte e Nordeste. Todas as empresas foram incorporadas à subsidiária Serede.

Hoje, a companhia afirma que 75% de sua manutenção é feita por empresas do Grupo Oi, e apenas 25% é terceirizado, um retrato incomum no setor de telecomunicações, onde impera a terceirização dos técnicos.

Desde a primeira incorporação, a Oi diz ter triplicado o volume de manutenções proativas na rede, o que derrubou em 14,3% a necessidade de fazer atendimentos na casa dos assinantes. Na conta final, a incorporação derrubou em 6,6% o Opex com manutenção, números de técnicos e materiais exigidos nos consertos. Ao mesmo tempo, a produtividade cresceu 20,3%.

“Neste trimestre reduzimos em 50% os custos com manutenção da rede, uma queda de mais de R$ 260 milhões. A consequência foi o aumento do Ebitda”, ressaltou Malavazi, durante a conferencia. Na esteira do novo modelo adotado, o executivo garante que houve melhora dos indicadores de experiência do cliente.

“Tempo de espera de resolução de defeito caiu 43%. Nas instalações dos serviços, o tempo médio caiu 60%. O cumprimento do agendamento melhorou 15%. Houve redução do volume de reclamações na Anatel: caiu de 38% em 2014 para 29% no final deste trimestre. E houve uma queda de 41,6% das reclamações específicas sobre motivos técnicos”, ressaltou.

Segundo Marco Schoroeder, diretor presidente da Oi, o reflexo é evidente. Setembro terminou com redução do churn (relação entre cancelamentos e aquisição de novos clientes). “Temos muito a evoluir, mas resultados são promissores”, resumiu. Segundo o balanço, a companhia foi capaz de ampliar os investimentos no ano, que foram até agora 14% maiores que em 2015, e deve terminar 2016 equivalendo a 18% da receita líquida.

Anterior Tarifa de roaming do celular vai cair para custos em todo o globo, decide UIT
Próximos Velocidade da LTE no Brasil supera a dos Estados Unidos

3 Comments

  1. 11 de novembro de 2016

    Tá caindo a máscara da terceirização que só enche o. Bolso de uns ea empresa ser afunda

  2. Bruno
    11 de novembro de 2016

    Só não entendi o sentido da imagem de rede elétrica… rs

  3. SENARM
    12 de novembro de 2016

    No minimo desatencioso.

    A foto mostra serviços de ENERGIA ELÉTRICA e não de TELECOM.