Oi recorrerá da decisão da Anatel sobre divulgação de planos alternativos


A Oi afirmou que vai recorrer do despacho 612 da Anatel, que proíbe a divulgação dos planos de serviços alternativos das operadoras de telefonia fixa até 31 de julho. Esta data encerra o prazo para que os assinantes optem por um dos dois planos obrigatórios de tarifa criados pela Anatel: o plano básico e o …

A Oi afirmou que vai recorrer do despacho 612 da Anatel, que proíbe a divulgação dos planos de serviços alternativos das operadoras de telefonia fixa até 31 de julho. Esta data encerra o prazo para que os assinantes optem por um dos dois planos obrigatórios de tarifa criados pela Anatel: o plano básico e o Pasoo (Plano Alternativo de Oferta Obrigatória). A Oi avalia que a agência, ao impedir a divulgação de seus planos, dificulta o conhecimento da ampla oferta de serviços alternativos que beneficia os consumidores.

Segundo a operadora, há casos em que seus planos alternativos “são mais vantajosos do que os planos obrigatórios”, citando o exemplo dos planos Economia e Fale e Navegue sem limites. O primeiro tem assinatura de R$ 29,90, com impostos e franquia de 60 minutos de chamadas locais para telefones fixos   já inclusos. Chamadas para celular e longa distância são bloqueadas, e a tarifa de instalação da linha é de R$ 60, podendo ser parcelada em até dez vezes.

O plano Fale e Navegue sem limites dá direito a uma franquia de minutos para chamadas de voz e ao uso ilimitado de internet discada, em qualquer horário, utilizando provedores cadastrados à Oi, que são aqueles cujo número de discagem começa com 1500 ou 1700. Os minutos não utilizados da franquia podem ser utilizados no mês seguinte. As tarifas variam de acordo com a quantidade de minutos selecionada e os impostos cobrados em cada estado. Os valores para os estados do Rio de Janeiro, Pará e Paraíba, por exemplo, são R$ 70,90 para 230 minutos, R$ 81,90 para 350 min., R$ 93,90 para 500 min., e R$ 136,90 para 1.000 minutos.

Anterior Baixo consumo de energia é o futuro dos monitores
Próximos Secretário do Minicom é contrário à licença única