Em comunicado publicado na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) nesta segunda-feira (20), a Oi esclarece a seus acionistas e ao mercado em geral que o anúncio de eventual liquidação dos ativos da Rioforte, em virtude da rejeição do pedido de gestão controlada da companhia, ocorrida no último dia 17, não terá qualquer impacto no andamento da operação de combinação de negócios e das bases acionárias da Oi, da Portugal Telecom. O anúncio foi feito após fortes quedas dos papéis das duas operadoras na Bolsa de São Paulo e na de Lisboa. A PT fechou com perdas superiores a 10% e a Oi, com desvalorização de 6,4%.

– Conforme já divulgado em Fato Relevante e Comunicado ao Mercado nos dias 08 de setembro e 13 de outubro de 2014, respectivamente, as Companhias reiteram que permanecem integralmente mantidos os compromissos de promover a listagem da CorpCo no Novo Mercado da BM&FBovespa S.A. – Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros e que a efetiva listagem está prevista para ser concluída quando da incorporação de ações da Oi pela CorpCo. As Companhias reiteram, ainda, que estão trabalhando para que a aprovação da referida incorporação de ações ocorra dentro do primeiro trimestre de 2015”, afirma a Oi, no comunicado.

Nova estrutura

No final da semana passada, o presidente interino da tele brasileira, Bayard Gontijo, iniciou o processo de redução de estrutura da operadora, que passa a ter 12 diretorias, ao invés de 16. Rui Gonçalves Pereira, diretor de pequenas e médias empresas, e Eduardo Aspesi, da unidade de segmento de varejo, deixaram a companhia.

O objetivo para a reestruturação administrativa é dar mais agilidade à tomada de decisões. A Oi decidiu recentemente focar a sua estratégia no Brasil e na venda de ativos para reorganizar sua dívida. A venda da PT Portugal não está descartada, embora a operadora afirme que ainda não recebeu propostas nesse sentido.