Oi e Vivo foram as operadoras que mais perderam na competição com ISPs


Os provedores de pequeno porte (PPPs) já têm mais assinantes que Oi e Vivo no país, e ficam atrás apenas da Claro/Net em número de clientes, conforme relatório elaborado pela área técnica da Anatel.

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) divulgou hoje, 25, um relatório analisando a evolução do mercado de banda larga fixa brasileiro. Os dados apontam um crescimento constante dos provedores de pequeno porte (PPP) e perda de clientes por parte das grandes empresas. No estudo, a equipe técnica da agência elaborou comparativos anuais de market share de 2007 a 2018.

Os dados indicam perda contínua da Oi e da Vivo quanto à participação de mercado, evolução da Claro/Net e dos provedores de pequeno porte.

Conforme o levantamento da agência, a participação da Oi no mercado nacional de banda larga fixa passou de 42,6% em 2007 para 19,2% em 2018. A Vivo encolheu de 28,1% para 24,3%, mas é importante lembrar que em 2016 a companhia acrescentou clientes vindos da GVT, adquirida em 2015 pelo grupo Telefônica.

Já os provedores de pequeno porte, aqueles com menos de 5% do mercado local de banda larga, passaram de 19,4% a 26,4%. E a Claro, que comprou a Net através da Embratel em 2010, passou de 10% em 2007 para 30% em 2018.

Mercado cresceu pra todo mundo

É importante lembrar, no entanto, que a perda de market share não significa que houve uma retração na base de mesma proporção. Pelo contrário, comparados os números atuais de assinantes, com os de 2007, todos os grupos cresceram em função do aumento do mercado como um todo.

Conforme a Anatel, de 2007 até o final de 2018, a base de banda larga fixa do Brasil aumentou 276%. Significa expansão anual de 12,8%. Passou de 8,26 milhões de acessos para 31,05 milhões. Os números indicam que alguns grupos econômicos (Claro e PPPs) souberam capturar novos clientes e segurar sua base melhor que os demais (Oi e Vivo).

PPPs à frente de Oi e Vivo

As tabelas da Anatel mostram que a tendência de atração de clientes pelas pequenas continua. Nos últimos três anos,  período em que não houve consolidação de grande porte no setor, Oi, Vivo e Claro perderam participação de mercado, seja porque encolheram, seja porque cresceram em ritmo mais lento que as PPPs.

Apenas em 2018, comparado a 2017, a Oi encolheu 13,7% em número de assinantes de banda larga fixa. Ou seja, desligou 309,9 mil acessos e terminou o ano com 5,9 milhões de clientes deste serviço. A Vivo encolheu 0,2%, o que equivale à perda de 5,3 mil acessos, restando com o total de 7,5 milhões. A Claro/Net cresceu 20,6% (+467 mil), encerrando 2018 com 9,36 milhões de assinantes. Já as PPPs expandiram 93,3% (+2,18 milhões), e fecharam o ano com o total de 8,2 milhões de clientes.

Anterior Anatel propõe novos critérios para investimentos do TAC
Próximos Rodolfo Fücher é o novo Presidente da ABES

3 Comments

  1. Julio Braga
    25 de Março de 2019

    O problema, no meu caso, foi a fidelização. Todas as operadoras querem fidelizar o cliente. Acabei fechando com uma de bairro, via fibra ótica, sem fidelização. Estou muito satisfeito. Tão satisfeito, que acabei ficando mais que o tempo que pretendia. É ilusão das operadoras quererem fidelizar o cliente por contrato. Tem que fidelizar por satisfação. Fica a dica!

  2. 25 de Março de 2019

    Boa noite a Sercomtel não entra no ranking

  3. Reinaldo
    6 de Abril de 2019

    Oi e Vivo foram empresas que demoraram a entrarem no FTTx, nasceram de redes de cobres que limitaram e muito a capacidade de vender ultra velocidades literalmente deram um tiro no pé esperando a ajuda do Governo sempre reclamando do preço para instalação de redes de fibra, já a Net desde o início investiu fibra mesmo quando era caro e desde sempre vendeu velocidades superiores em comparação as duas. Esse estudo revela que quem ficou explorando as redes de cobres até o limite e não investiu ficou para trás e irá sofrer com aumento exponencial dos pequenos… E o pior é que não foi por falta de aviso e estudos técnicos mas ganancia dos executivos em apresentar superavit oriundos de ganhos em redes já obsoletas, hoje ambos se apequenaram e ainda tem muitas regiões sensiveis onde só tem cobre instalado completamente suscetíveis a uma debadada em geral de clientes.