Oi afirma à CMVM que Granadeiro mentiu sobre dívida da RioForte e vai processá-lo


A disputa pela fusão da Portugal Telecom com a Oi e a venda da Portugal Telecom para a francesa Altice, cuja assembleia marcada para deliberar o assunto ocorrerá nesta quinta, 22, não ocorre mais nas assembleias, na mídia e nas Comissões de Valores Mobiliários do Brasil e de Portugal. Ela vai também para os tribunais. Carta enviada hoje pelo presidente da Oi, Bayard Gontijo, ao presidente da CMVM de Portugal e ao presidente da assembleia geral da PT, afirma que o ex-presidente da PT SGPS, Henrique Granadeiro apresentou informações falsas sobre a dívida da RioForte e vai ser processado por isto.

A disputa pela fusão da Portugal Telecom com a Oi e a venda da Portugal Telecom para a francesa Altice, cuja assembleia marcada para deliberar o assunto ocorrerá nesta quinta, 22, não ocorre mais nas assembleias, na mídia e nas Comissões de Valores Mobiliários do Brasil e de Portugal. Ela vai  também para os tribunais. Carta enviada hoje pelo presidente da Oi, Bayard Gontijo,  ao presidente da CMVM de Portugal e ao presidente da assembleia geral da PT, afirma que o ex-presidente da PT SGPS, Henrique Granadeiro apresentou informações falsas sobre a dívida da RioForte e vai ser processado por isto. 

A Oi nega que sabia da dívida de 897 milhões de euros, conforme havia afirmado o ex-presidente da PT SGPS. Em sua carta, datada de 13 de janeiro de 2015, Granadeiro afirma que a Oi não só sabia, como seu principal executivo Zeinal Bava teria participado deste empréstimo, tendo em vista que em março de 2014 foi revogado o modelo de gestão centralizada de tesouraria das empresas do grupo PT, passando a gestão para a própria operadora, e não mais pertencendo  à holding SGPS.

A Oi afirma, no entanto, que a gestão centralizada de tesouraria não alcançou a Portugal Telecom International Finance B. V. (PTIF), a empresa que efetivamente subscreveu a dívida de 697 milhões de euros junto à Rio Forte. Os demais 200 milhões de euros foram emprestados pela PT SGPS em fevereiro de 2014 e renovados em abril de 2014. Segundo a Oi, este braço internacional só foi integralizado à PT Portugal em 5 de maio de 2014, bem depois de o calote ter ficado exposto.

E, informa a concessionária brasileira “tomará os procedimentos judiciais sancionatórios quanto ao sr. Henrique Granadeiro, que se justificam atenta a ilicitude de sua conduta”.

Anterior Abinee prevê ano mais difícil para a indústria e elogia isenção PIS/Cofins para smartphone
Próximos Pressionada, PT SGPS nega ter mais informações sobre venda de ativos à Altice