Oi aceita proposta do LetterOne e vai negociar fusão com a TIM


Concessionária terá até maio de 2016 para buscar consolidação no mercado brasileiro de telecomunicações. Se conseguir, fundo injetará ao menos US$ 4 bilhões para capitalizar operadora e garantir a realização da operação.

A Oi avisou ao mercado nesta sexta-feira, 31, que enviou contraproposta ao fundo LetterOne, e que esta foi aceita. No começo da semana a companhia informou o recebimento de proposta de aporte de até US$ 4 bilhões com a condição de conseguir uma consolidação no mercado brasileiro.

Como resultado, assinou contrato de exclusividade com o fundo com validade de sete meses “com relação a combinações de negócios envolvendo companhias de telecomunicações ou ativos de telecomunicações no Brasil”. Ou seja, terá até maio de 2016 para negociar uma fusão com a TIM, controlada pela Telecom Italia. Ontem o jornal OGlobo noticiou que a contraproposta estipulava o aporte mínimo em US$ 4 bilhões, e não em “até” este teto. Segundo o jornal Valor, a Oi levará uma proposta à Telecom Italia em até dois meses.

A operação reduziria a alavancagem da Oi, geraria sinergias e ganho de escala. Opinião da qual compartilha o CEO da TIM Brasil, Rodrigo Abreu. Durante a semana, TIM e Telecom Italia ressaltaram que acham o negócio viável apenas se houver alteração da legislação que recai sobre as concessões de telefonia fixa brasileiras.

“Uma potencial união da Oi com a TIM Participações deve resultar na constituição de um operador mais completo e bem posicionado, capaz de competir com players globais já instalados no país”, diz a Oi, no comunicado.

A Oi tem 51 milhões de usuários móveis, quarta colocada no ranking brasileiro. A TIM tem a segunda posição, com 73,3 milhões de clientes, segundo dados de agosto da Anatel. A primeira coloca, Vivo, tem 81 milhões de acessos móveis. Também haveria sinergia no acesso fixo, em que a Oi já lidera, com 15,5 milhões de pontos. A TIM tem 567 mil assinantes. Em banda larga fixa, a Oi é a segunda colocada, com 6,4 milhões de acessos, atrás apenas da Claro Participações (controladora da NET), com 7,9 milhões. A TIM tem 206 mil acessos de banda larga fixa.

O fundo LetterOne é especializado em investimentos em energia e TICs. Pertence ao bilionário russo Mihkail Fridman. Já realizou investimentos em outras operadoras mundo afora, como Turkcell e Vimpelcom (holandesa).

Anterior Unify negocia com operadoras parcerias para oferta da plataforma Circuit
Próximos Anatel autoriza reestruturação societária da Algar Telecom

1 Comment

  1. Mr Anderson
    31 de outubro de 2015

    Há um equívoco no início do texto sobre a data. Correto sexta-feira, 30.