Oferta concorrente à PT pode valorizar ações da Vivo


Apesar de muitos boatos sobre possíveis ofertas concorrentes à compra da Portugal Telecom, nenhum se concretizou até o momento. De fato, até a agora, somente a OPA do grupo português Sonae, feita em fevereiro, no total de 10,7 bilhões de euros, ainda inconclusiva. No entanto, o jornal inglês The Times publicou reportagem segundo a qual …

Apesar de muitos boatos sobre possíveis ofertas concorrentes à compra da Portugal Telecom, nenhum se concretizou até o momento. De fato, até a agora, somente a OPA do grupo português Sonae, feita em fevereiro, no total de 10,7 bilhões de euros, ainda inconclusiva. No entanto, o jornal inglês The Times publicou reportagem segundo a qual que um consórcio na Europa fará uma oferta quase 30% acima da proposta do bilionário Belmiro Azevedo (dono do Sonae) – ou 14 bilhões de euros.

Esse consórcio, segundo o diário britânico, será formado pelos fundos de investimento private equity Cinven, Permira, Providence, Blackstone, Texas Pacific e KKR. A notícia fez com que as ações da PT disparassem na bolsa portuguesa. A PT e a Telefónica Móviles controlam a Vivo, operadora móvel brasileira.  

Segundo analistas, há grande resistência em Portugal de que a PT seja adquirida por grupos estrangeiros. Há inclusive uma golden share do governo português na empresa (ação com direito a veto a negociações).  Mas um comitê da PT considerou “baixa” e “hostil” a OPA dos conterrâenos do Sonae.

PUBLICIDADE

“A notícia (da oferta do consórcio europeu) é positiva para as ações, especialmente as ordinárias, do Grupo Vivo”, comenta análise da Brascan Corretora de hoje, 5.  “A perspectiva  de mudança de mudança no controle da PT e as recentes declarações da Telefónica afirmando o interesse em comprar a participação detida pela Portugal Telecom na móvel brasileira elevam as expectativas quanto a uma potencial transação que fomente a perspectiva de tag along para as ações ordinárias da Vivo”, conclui o relatório.

(Da Redação)

Anterior TV digital: ato de protesto no Congresso Nacional
Próximos Banda larga: concorrentes poderão usar ADSL2+ da Telefónica.