Obama usará internet para acompanhar seu plano de governo


O novo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que toma posse hoje, usará a internet como ferramenta poderosa no acompanhamento do seu plano de governo. Na página da transição "Change.gov", os internautas podem oferecer sugestões para as áreas de atuação do governo, como economia, educação e saúde. De acordo com o site, "as melhores ideias …

O novo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que toma posse hoje, usará a internet como ferramenta poderosa no acompanhamento do seu plano de governo. Na página da transição "Change.gov", os internautas podem oferecer sugestões para as áreas de atuação do governo, como economia, educação e saúde. De acordo com o site, "as melhores ideias serão encaminhadas para o livro dos cidadãos que será entregue ao presidente Obama depois do juramento".

No link "governo aberto" (open government, em inglês), os americanos podem ter acesso aos documentos da transição em cada uma das 21 categorias de temas da agenda de governo e deixar comentários. Para responder às milhares de perguntas dos internautas em relação ao plano de governo, o porta-voz de Obama, Robert Gibbs, gravou um vídeo no YouTube no qual comemora a participação de 103.515 pessoas que enviaram 76.031 perguntas.

"Abrimos esse espaço para fazer essa transição a mais transparente da história. Estamos muito agradecidos pelo recebimento de tantas perguntas inspiradoras", afirma Gibbs que, em frente a um computador, mostra aos internautas alguns questionamentos enviados. Nos últimos dias, a equipe de Obama colocou um vídeo no YouTube no qual explica o programa de recuperação econômica que pretende gerar cerca de 3 milhões de empregos.

Durante a campanha, a participação dos americanos pela internet atingiu a marca de 13 milhões de cadastros de e-mail na rede social MyBarackObama.com, criada para pedir votos para o democrata. (Da redação, com agências internacionais)

Anterior Governo facilita doação de equipamentos usados para inclusão digital
Próximos Oi compra ações da Amazônia Celular e da TNCP