Obama se compromete a explicar espionagem até quarta-feira


 

A presidenta Dilma Rousseff afirmou nesta sexta-feira (6), em São Petersburgo, na Rússia, em entrevista coletiva após participar de reunião de cúpula do G20, que o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, se comprometeu a responder ao governo brasileiro até quarta-feira (11) sobre as denúncias de espionagem da NSA. A informação é do Blog do Planalto.

 

Obama e Dilma se reuniram nesta quinta-feira (5), antes do jantar de trabalho em homenagem aos chefes de Estado do G20. Segundo Dilma, Obama assumiu responsabilidade direta e pessoal pela investigação das denúncias de espionagem. Na quarta, o ministro das Relações Exteriores, Luiz Alberto Figueiredo, deverá se encontrar com a conselheira de Nacional de Segurança dos Estados Unidos, Suzan Rice.

Na entrevista, a presidenta também disse que vai propor à Organização das Nações Unidas (ONU) uma nova governança contra invasão de privacidade.

 

Recuo

Em entrevista nesta sexta-feira (6), o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse que os interesses do seu país com México e Brasil são maiores do que a questão da espionagem, e que não “assina embaixo de tudo que os jornais dizem” a respeito do assunto. Sobre atuação da Agência Nacional de Segurança dos Estados Unidos (NSA, na sigla em inglês), Obama cogitou dar “um passo atrás” para analisar a forma como as tecnologias têm sido usadas.

Obama ressaltou que “há uma gama de interesses” nas relações envolvendo os EUA e os dois países que, segundo denúncias veiculadas na imprensa, foram espionados. “Especificamente sobre Brasil e México, temos de analisar as alegações. Não assino embaixo de tudo que os jornais dizem. Levo as alegações muito a sério, entendo as alegações de mexicanos e do povo brasileiro, e vamos trabalhar para ver onde está a fonte de tensão”, disse hoje (6), durante coletiva de imprensa em São Petersburgo, na Rússia, onde ocorre a 8ª Cúpula do G20, reunindo as maiores economias mundiais.

 

“A razão pela qual fui ao Brasil é que esse é um país importante e com história de sucesso na transição da ditadura para a democracia, além de ser uma das economias mais dinâmicas do mundo”, argumentou o presidente dos EUA.

Sobre a atuação da NSA, envolvida na espionagem ao Brasil e México, Obama disse caber à agência “buscar informações que não estão em fontes públicas”, e que essa prática é similar ao que países mundo afora fazem por meio dos seus serviços de inteligência. “A verdade é que somos maiores e temos melhor capacidade”, emendou.

 

“Com a tecnologia mudando tão rapidamente, e as capacidades aumentando ainda mais, é importante que a gente dê um passo atrás e analise o que estamos fazendo, porque, só porque podemos conseguir as informações, não quer dizer que tenhamos que acessá-las. Pode ter aí uma relação custo-benefício que temos que pesar”, completou o presidente norte-americano.

Ele considerou a possibilidade de a NSA fazer análises “camada a camada”, para identificar o que, posteriormente, pode ser analisado de forma mais aprofundada.(Da redação, com Agência Brasil)

 

Anterior STF arquiva ação que pedia desbloqueio de bens da Telexfree
Próximos Minicom reafirma cronograma de desligamento da TV Digital