O2 testa rede sem fio de luz no Reino Unido


A O2, operadora móvel britânica pertencente ao grupo Telefónica, testou com sucesso a tecnologia LiFi em ambiente controlado no Reino Unido. A LiFi permite a troca de dados através da luz, usando LEDs em vez de espectro radioelétrico. O sistema emite luz em ritmos determinados, captados por sensores que convertem essa variação de luminosidade. A lâmpada LiFi também é capaz de detectar outras luzes e traduzi-las em dados, o que garante que a tecnologia seja bidirecional.

O fornecedor da tecnologia é a empresa local pureLiFi. A O2 afirma que pretende aproveitar o uso da luz na troca de dados para impulsionar a implantação de redes 5G. A companhia admite, no entanto, que há alguns dilemas.

O LiFi exige que as lâmpadas que emitem e recebem os sinais luminosos estejam “visíveis” entre si. Uma cortina ou parede bloqueia o sistema, diferentemente de tecnologias de transmissão de dados baseadas em radiofrequência.

Já os benefícios são grandes. O LiFi libera mais capacidade de rede por não depender de licenciamento de espectro, um insumo cada vez mais limitado. Por usar LEDs e depender da luz visível a olho nu, seria mais estável e gastaria menos energia que o WiFi convencional.

“Os testes até aqui mostram que é possível ter uma conectividade de alta velocidade na casa do cliente e são um exemplo de como podemos deixar nossas redes à prova de futuro rumo à 5G nos Reino Unido”, disse Derek McManus, COO da O2.

Mais do que facilitar a transmissão de dados entre pessoas, o LiFi deverá ser empregado em soluções de internet das coisas, segundo as empresas. As empresas esperam, no entanto, que smartphones sejam compatíveis com o sistema no futuro.

Vale lembrar que a tecnologia está em desenvolvimento pelo menos desde 2011 e ainda não há padronização. A IEEE, entidade de engenheiros responsável pelas definições do WiFi, formou neste ano um grupo de trabalho para acrescentar o LiFi ao padrão de conectividade 802.11bb, tornando compatíveis aparelhos WiFi e LiFi a partir de 2021. (Com assessoria de imprensa)

Anterior Celio Mello: Desafios da IOT e investimentos no desenvolvimento de aplicações
Próximos PL prevê quarentena antecipada para diretores de agências reguladoras