“O setor não pode deixar o Ministério acabar”, despede-se Figueiredo


Ordem do Mérito das Comunicações (foto: Herivelto Batista)
Ordem do Mérito das Comunicações (foto: Herivelto Batista)

O ministro das Comunicações, André Figueiredo, fez hoje, 10, um dos últimos atos a frente a pasta que comandou por sete meses, lamentando a “crise sem precedentes que o país vivencia”.  E conclamou os representantes das comunicações e das telecomunicações (jornalistas, radialistas, empresários, parlamentares, ministros, ex-governadores, ex-ministros, pesquisadores. militares e funcionários que foram agraciados com medalhas das comunicações) a não deixar que o Ministério das Comunicações seja extinto, conforme os rumores sobre a concretização do golpe contra a presidente Dilma Rousseff, que poderá ser confirmado nesta quarta-feira com a votação do impeachment pelo Senado Federal.

Para Figueiredo, o setor de telecom é estruturante, e por isto, não deveria se extinto ou fundido a outra área, até porque tem a base do desenvolvimento da tecnologia 5G e da Internet das Coisas (IoT) para avançar.

Para Figueiredo, embora o papel da mídia não deva ser o de “distorcer as verdades”, ele espera que o segmento não aceite retrocessos, e que seja mantido o programa Brasil Inteligente, cujos recursos precisarão de emendas orçamentárias. “Este setor extrapola oposição e governo”, avalia

Entre os agraciados com medalha pelo dia das Comunicações, comemorado em 5 de maio, estão o presidente do Conselho de Administração do grupo Algar, Luiz Alberto Garcia, ministro da Cultura, Juca Ferreira; Demi Getschko, do NiC.Br, Jorge Bittar, da Telebras, e Miriam Aquino, editora da Momento Editorial.

Miriam Aquino, diretora Momento Editorial e Ministro Andre Figueiredo. (foto: Herivelto Batista)
Miriam Aquino, diretora Momento Editorial e Ministro Andre Figueiredo. (foto: Herivelto Batista)

 

 

 

 

Anterior América Móvil compra operadoras peruanas
Próximos Prefeitura de São Paulo editará decreto para regular Uber e similares

6 Comments

  1. Ricardo
    11 de Maio de 2016

    Esta é a posição da redação do Telesíntese? Que o impeachment é golpe? Isto está no primeiro parágrafo:
    ” conforme os rumores sobre a concretização do golpe contra a presidente Dilma Rousseff, que poderá ser confirmado nesta quarta-feira com a votação do impeachment pelo Senado Federal.”
    Não pesei que o viés pró governo deste site fosse tão forte. Agora está claro!!!

    • Miriam Aquino
      11 de Maio de 2016

      É a posição da redação do Tele.Síntese de que este processo de impeachment é golpe contra a democracia.

  2. Joanilo
    11 de Maio de 2016

    Fiquei consternado ao ler esta matéria e ver que este veículo de comunicação resolve ignorar os entendimentos da mais alta corte deste país ao citar que em determinado trecho que “…conforme os rumores sobre a concretização do golpe contra a presidente Dilma Rousseff,…”.
    Espero que tenha sido um lapso do redator que acabou externando sua ideologia política e acabou errando gravemente no sentido de se demonstrar tendência (erro crasso em redação jornalística).
    Lamento e espero que esse veículo de comunicação consiga se corrigir.
    Obrigado.

    • Miriam Aquino
      11 de Maio de 2016

      Esta é a posição da Redação do Tele.Síntese. De que este impeachment é golpe contra a democracia.

  3. Ricardo
    11 de Maio de 2016

    Agora entendo o porquê de alguns posicionamentos sem racionalidade econômica e técnica quanto às comunicações e telecomunicações em algumas matérias deste site. Não sou afeto a ideologias…. daqui pra frente retirarei do meu mailing postagens deste grupo. Bom trabalho e boa sorte!

  4. Felipe
    12 de Maio de 2016

    Realmente lamentável se posicionarem contra o impeachment de forma tão descarada. Impeachment este previsto na Constituição Federal e também referendado e pela mais alta Corte do País (STF). Pensei ser uma publicação isenta e apartidária restrita ao tema ao qual se destina escrever. Não passa de mais um veículo aparelhado pelo governo. Talvez estejam temendo os cortes do próximo governo com publicidade a sites “comprados”.